Aleteia
Sábado 24 Outubro |
São Maglório
Religião

Santa Missa: comunhão e rito final

CORPUS DOMINI

Antoine Mekary | ALETEIA

Padre Bruno Roberto Rossi - publicado em 24/02/19

Alimentados pela Eucaristia, temos ânimo para os ofícios do dia a dia

Estamos no chamado Rito da Comunhão da Santa Missa. Alguns poderiam pensar que logo após a Consagração já houvesse a refeição, mas não é assim. A Tradição da Igreja julgou por bem, à luz do Espírito Santo, melhor preparar os fiéis com ritos e orações, a fim de que, mais conscientemente, recebam o Senhor Jesus em seu Corpo, Sangue, Alma e Divindade.

Consta dessa preparação próxima o Pai-Nosso, introduzido no local em que está, hoje, na Missa pelo Papa Gregório Magno por volta do ano 600. Ele é a resposta de Nosso Senhor aos discípulos que Lhe pediam para ensiná-los a rezar (cf. Mt 6,9-13; Lc 11,2-4) e é muito apropriada por solicitar a Deus “o Pão nosso de cada dia…”.

Dom Estêvão Bettencourt, OSB, afirmano Curso de Liturgia, p. 93, ser o Pai-Nosso um resumo da Oração Eucarística, que lhe é anterior, com as seguintes palavras: “a invocação Pai é comum a todas as preces; ‘santificado seja…’ lembra o ‘Santo, santo…’, ‘venha a nós o vosso reino’ corresponde à epiclese [invocação do Espírito Santo – nota minha]; ‘Seja feita a vossa vontade…’ evoca a atitude de obediência e entrega, que faz da vida uma oblação perfeita”.

Já a segunda parte, como dito, se refere ao pão diário de nossas mesas e também ao eucarístico a ser, em breve, recebido; pede-se, porém, antes, o perdão das ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos ofendeu, lembrando Mt 5,23; “não nos deixeis cair em tentação” visa conseguir de Deus que nos conserve fiéis, especialmente depois da Missa, e o “livrai-nos do mal” é um pedido geral para bem aproveitarmos os frutos da Eucaristia. Importa notar que o Pai-Nosso é, por assim dizer, a ponte entre a Oração Eucarística e a Comunhão.

Segue-se ao Pai-Nosso um Embolismo (acréscimo) que pede: “Livrai-nos de todos os males… Dai-nos a vossa paz”, anseio de todo ser humano sadio. Não é qualquer paz, mas aquela que Cristo, Messias portador da Paz (cf. Mq 5,4; Is 57,19; Zc 9,10; Jo 14,27; Ef 2,17), nos traz. Há também a Doxologia “Vosso é o Reino, o poder e a glória para sempre” como que a lembrar o “Glória ao Pai” acrescentado ao final de cada Salmo. É originário de um costume antiquíssimo dos cristãos orientais.

Logo depois, tem-se o Rito da Paz (cf. Jo 14,27; 16,33), cuja oração é do século XI; dirige-se, diretamente, a Cristo e se justifica por estar próxima do Cordeiro de Deus e da Comunhão Eucarística. Pede que o Senhor não considere os nossos pecados, mas, sim, a sua Igreja que n’Ele crê, confia e espera. Paz e Unidade são os desejos de Jesus (cf. Jo 17,11.21; 1Cor 10,16-17). Pode haver, a critério de quem preside, o Ósculo da paz. Este deve ser um sinal de real unidade da Igreja, de apagamento das tensões na comunidade e não mera formalidade ou desvirtuamento do desejo da paz que só Cristo pode dar para ceder a cumprimentos por aniversário, casamento, formatura etc.

Temos também a Fração do Pão com uma longa história na Missa. Aqui, porém, importa dizer que ela ocorre quando o presidente da celebração parte o pão enquanto se canta o Cordeiro de Deus, apelativo bíblico (cf. Jo 1,29.36; Is 53,7; Êx 12,1-14; 1Cor 5,7; Jo 19,31-37; Ap 19,9; 21,23) que lembra Cristo dilacerado por amor dos seres humanos. O Cordeiro vem a ser ainda uma adoração e súplica Àquele que está presente, realmente, sob a forma de pão e de vinho, sobre o altar.

Pouco antes da Comunhão, o sacerdote diz que são “Felizes os convidados para a Ceia do Senhor” (cf. Ap 19,9) ao que os fiéis respondem não serem dignos de que o Senhor entre em sua morada (cf. Mt 8,8). Enquanto a Comunhão é distribuída – o fiel pode recebê-la na boca ou na mão, em pé ou ajoelhado –, canta-se um Canto apropriado e depois dela observa-se um tempo de ação de graças, conforme trato em outro momento.

Terminada a Ação de graças, vem a Oração pós-comunhão e a Bênção final. Isso parece desproporcional a toda a grandeza da Missa, mas não o é. Diz, uma vez mais, Dom Estêvão Bettencourt, Curso de Liturgia, p. 96, que “a Despedida dos fiéis (‘Vamos em paz…’) não põe termo à vivência da Eucaristia; ao contrário, é um envio à missão”.

Alimentados pela Eucaristia, temos ânimo para os ofícios do dia a dia.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Papa Pedro João Paulo II Bento XVI Francisco
Reportagem local
Pedro, João Paulo, Bento e Francisco: 4 Papas...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia