Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 25 Outubro |
Santo Antônio de Sant’Anna Galvão 
Aleteia logo
home iconReligião
line break icon

A importância da ação de graças após a comunhão 

MSZA TRYDENCKA

Kamil Szumotalski/ALETEIA

Padre Bruno Roberto Rossi - publicado em 03/03/19

Sejamos zelosos e nos perguntemos: como vai nossa ação de graças pós-comunhão ou mesmo após a Santa Missa

Não são poucos os católicos de várias nações que têm se preocupado com a importância da ação de graças após a Comunhão.

Escreve, muito a propósito, o padre Dr. Luiz Fernando Cintra, Por que ir à missa aos domingos, p. 36, o que segue: “Se o momento culminante da Missa em si mesma é a consagração, do ponto de vista dos fiéis o momento em que se dá a máxima união com Deus é a comunhão. A alma enche-se de enorme alegria quando o corpo recebe Jesus Cristo dentro de si. Só Deus poderia realizar uma união tão íntima como a que se dá entre o alimento e o corpo alimentado”.

Essa afirmação já dá base para dizermos algo a respeito da ação de graças após a Comunhão. É certo que alguns leitores mais atentos poderiam perguntar: mas toda a Missa já não é, em si mesma, uma grande ação de graças? A vida de cada cristão, cujo ápice é a Missa, não deve por si só ser toda ela ação de graças (cf. Cl 3,17; 1Ts 5,18)? – A resposta é sim para as duas perguntas, mas, aqui, desejo tratar, de modo mais específico, da ação de graças depois da Comunhão.

Com efeito, a Instrução Geral do Missal Romano, do Papa Paulo VI, normatiza em seu n. 56, j, o seguinte: “Terminada a distribuição da Comunhão, se for oportuno, o sacerdote e os fiéis orem por algum tempo em silêncio, podendo a assembleia entoar um hino ou outro cântico de louvor”. Mais ainda: a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicou, com aprovação de São João Paulo II, na Inaestimabile Donum, de 17/04/1980, n. 17: “Recomenda-se aos fiéis que não descuidem, depois da Comunhão, de uma justa e indispensável ação de graças, quer na própria celebração – com uns momentos de silêncio e com um hino ou um salmo ou ainda outro cântico de louvor –, quer, terminada a celebração, permanecendo possivelmente em oração durante um conveniente espaço de tempo”.

Importa aqui lembrar, embora isso seja quase desnecessário a uma comunidade mais madura na Liturgia, que o canto pós-comunhão ou de ação de graças deve ser compatível com o momento. Aqui, valem dois pontos do Diretório Litúrgico da Diocese de Amparo, 2013. O primeiro, na página 53, reforça o que acima foi dito: “É útil deixar um espaço de silêncio e interiorização após a distribuição da Sagrada Comunhão, podendo ainda, após este momento, a assembleia entoar um hino ou outro canto sempre de louvor” (cf. CNBB/Doc. 43, n. 323). O segundo, na página 23, trata sobre o canto na Missa. Reforça que “o instrumento adequado ao canto litúrgico é o órgão, o teclado e os instrumentos de corda, tocados com a devida moderação e entonação. Recordemos que nenhum instrumento para Deus é melhor que a voz humana. Por isso, no canto litúrgico os instrumentos não devem abafar a voz do povo, mas acompanhá-la”.

Da parte do Sacerdote, o maior responsável pela Liturgia depois do Bispo, é preciso evitar também alguns abusos: a) um silêncio para meditação após a homilia, mas nenhum intervalo pós-comunhão ou uma homilia muito longa que consome o espaço da ação de graças pós-comunhão para terminar a Missa no horário previsto e b) avisos, logo após a Comunhão, tomando o tempo da ação de graças.

Poderia alguém indagar: mas por que essa ação de graças é tão importante? – É importante porque os frutos da oração comunitária ou oficial da Igreja dependem, em parte, da acolhida, na prece silenciosa e particular de cada fiel. Caso não haja um diálogo pessoal com Deus na vida do fiel (e o momento pós-comunhão é muito propício a isso), a oração comunitária pode correr o sério risco de se tornar mera formalidade para o ministro e os fiéis.

Sejamos, pois, zelosos e nos perguntemos: como vai nossa ação de graças pós-comunhão ou mesmo após a Santa Missa. Se não vai bem, como posso mudá-las? Pensemos e coloquemos em prática esses importantes pensamentos.

Tags:
Missa
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos
Francisco Vêneto
Jovem casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos: “cada um vale ...
2
Papa Emérito Bento XVI
Francisco Vêneto
Bento XVI: “Espero me unir logo” aos amigos que já estão na etern...
3
Papa Francisco São José Menino Jesus
Ricardo Sanches
A oração a São José que o Papa Francisco reza todos os dias há 40...
4
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
5
São João Paulo II
Reportagem local
A última frase de São João Paulo II antes de partir desta vida
6
Ary Waldir Ramos Díaz
O papa que enfurece o diabo: São João Paulo II fez exorcismo dent...
7
Don José María Aicua Marín
Dolors Massot
Padre morre de ataque cardíaco enquanto celebrava funeral
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia