Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Bebê prematuro é dado como morto, mas “renasce” horas depois

Compartilhar

Diretor da maternidade onde o bebê nasceu diz que o caso é um “milagre"

Na maternidade de Percy Boland, na Bolívia, um recém-nascido causou uma verdadeira revolução. Trata-se de Dhilan Daren, a quem chamaremos de “Lázaro” (em referência ao personagem bíblico ressuscitado por Jesus).

O pequeno nasceu com 26 semanas de gestação. Imediatamente, foi declarado morto pelos médicos. Uma notícia que, a princípio, gerou tristeza, mas logo provocou uma reviravolta. Quando os familiares estavam para colocar o garoto no caixão, perceberam que ele tinha alguns sinais vitais. 

Tudo mudou de um segundo para o outro e, de forma imediata, começaram a surgir as primeiras explicações. Entre elas, a “síndrome de Lázaro”, que é a retomada da atividade cardíaca – algo muito raro de acontecer. 

“O bebê nasceu sem sinais vitais, ou seja, morto. Os médicos especialistas em neonatologia são muito cuidadosos e declararam óbito fetal; eles o examinaram e [o bebê] continuava em óbito. Depois de duas horas, voltaram a examinar e seguia o óbito. Então, era um óbito. Daí é que vem a explicação científica de casos como este, que ocorreram em outros países. Acontece que existem casos de óbitos fetais temporais em bebês prematuros. Estímulos externos ativam os centros respiratórios do sistema nervoso central e a pessoa volta à vida”, explicou o diretor da maternidade, Federico Urquizu, ao El Deber.  O diretor ainda acrescentou: “A única coisa que podemos dizer à população é que isso é um milagre”. 

O bebê está se recuperando e, segundo os últimos boletins médicos, cresceu e recebe alimentos e cuidados necessários.

Autoridades de saúde da Bolívia iniciaram processo para apurar se houve negligência médica no caso, já que o bebê prematuro ficou fora incubadora por várias horas.