Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Compartilhar o trabalho seria a resposta para as mães?

FRUSTRATED WOMAN
Compartilhar

Quando duas pessoas compartilham um emprego, pode ser uma situação ganha-ganha

Um grande estudo britânico recentemente analisou o estresse das famílias. Os resultados mostram que as mães que criam dois filhos e trabalham em período integral são 40% mais estressadas do que as mulheres que trabalham e não têm filhos. Nem trabalhar em casa nem horário flexível melhora a situação; apenas uma redução na jornada de trabalho geral tem um impacto positivo no estresse crônico, de acordo com o estudo.

Mães que trabalham são significativamente mais estressadas

De acordo com o estudo mencionado acima, publicado em Sociology (a revista da British Sociological Association), uma mãe que trabalha em período integral e tem um filho é 18% mais estressada do que uma mulher trabalhadora que não tem filhos. Esse número sobe para 40% se ela tiver dois filhos. Isso não é uma grande surpresa; mães que trabalham sentiram o estresse por anos. Mais do que qualquer outra coisa, este estudo mediu esse estresse quantitativamente e colocou-o em evidência, usando observações de dados biológicos de mais de 6.000 mulheres, como pressão arterial e níveis hormonais. Pesquisadores analisaram especificamente 11 marcadores biológicos de estresse em cinco sistemas biológicos diferentes dentro do corpo.

“O conflito entre trabalho e família está associado a um aumento na tensão psicológica, com níveis mais altos de estresse e níveis mais baixos de bem-estar. Os pais de crianças pequenas correm um risco particular de conflitos entre trabalho e família”, explicou o Prof. Tarani Chandola da Universidade de Manchester. “As condições de trabalho que não são flexíveis para essas demandas familiares, como longas horas de trabalho, podem ter um impacto negativo nas reações de estresse de uma pessoa”, disse ele.

Uma solução: compartilhamento de trabalho

De acordo com o estudo britânico, nem trabalhar em casa nem horas mais flexíveis reduz efetivamente a ansiedade das mães. A única solução comprovada é reduzir suas horas de trabalho. A partilha de emprego, que envolve duas pessoas que partilham a mesma posição, é uma forma de reduzir as horas de trabalho, ao mesmo tempo que ajuda as mães trabalhadoras a permanecerem empregadas. Embora este modelo esteja em uso nos EUA, no Reino Unido e na Suíça há anos, ele ainda não foi estabelecido em muitos outros países. Na França, por exemplo, o compartilhamento de empregos só chegou em 1994, na Hewlett-Packard, mas a legislação a esse respeito ainda está pendente.

Este modelo de emprego pode ser uma situação ganha-ganha. Tem benefícios para as empresas: resulta em maior produtividade e menos faltas, em uma presença contínua no trabalho, em uma redução no risco de burnout, e em funcionários mais motivados e leais, porque sua empresa respondeu às suas necessidades e aspirações. Além disso, melhores decisões são tomadas, graças a dois funcionários compartilharem sua experiência e competência profissional entre si (“duas cabeças pensam melhor que uma”). As duas pessoas que compartilham o trabalho se complementam e ensinam umas às outras e contribuem para ampliar a gama de contatos profissionais. E, claro, dá às mães trabalhadoras uma oportunidade de continuar suas carreiras com menos estresse.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.