Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa ao clero: “Sejam vocês os primeiros a pedir perdão!”

POPE FRANCIS ASH WEDNESDAY-
Compartilhar

"O arrependimento é o início da santidade", disse Francisco - o que vale também para padres e bispos

Na semana passada, ao começar a Quaresma, o Papa Francisco se reuniu com o clero da diocese de Roma, da qual ele é o bispo: trata-se de um encontro já tradicional, com a liturgia penitencial do início deste tempo litúrgico. O encontro ocorre na sede da diocese de Roma, que é a Basílica de São João de Latrão.

Após a meditação, dirigida pelo cardeal Angelo De Donatis, que é o vigário do Papa para a diocese de Roma, o Santo Padre atendeu alguns sacerdotes em confissão. Na sequência, fazendo um discurso em grande parte improvisado, o Papa refletiu sobre o sentido da Quaresma, a necessidade do arrependimento, a força do perdão, a comunhão em todos os níveis e a graça da misericórdia de Deus, que é vida e alimento da Igreja.

Francisco também falou ao clero sobre “a graça das lágrimas” e a “tristeza boa” de quando Deus nos permite experimentar a Sua aparente ausência para depois nos doar novamente a experiência da Sua presença. Ele refletiu ainda sobre a experiência da confissão do pecado que muitas vezes tentamos esconder de Deus, do sacerdote e até de nós mesmos, descrevendo-a como “maquiagem das situações”.

A partir disso, o Papa convidou os padres e bispos a avivarem a consciência do seu papel na Igreja a serviço da obra de reconciliação com Deus, destacando que o “arrependimento é o início da santidade” – inclusive para o próprio clero, já que a vida de um sacerdote pode ser marcada por sofrimentos e, às vezes, perseguições e pecados:

“Acreditemos na paciente guia de Deus, que faz as coisas a Seu tempo. Ampliemos nossos corações e nos coloquemos a serviço da Palavra de reconciliação”.

Francisco exortou os membros do clero romano a pedirem perdão a Deus e aos irmãos por todos os pecados que têm minado a comunhão eclesial:

“Sejam vocês os primeiros a pedir perdão!”.