Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano
Religião

Ciência é diferente de cientificismo

DNA

Shutterstock

Vanderlei de Lima - publicado em 12/03/19

É possível oferecer à pergunta “Que é ciência?”

Não é fácil encontrar uma definição tão precisa de ciência nos dicionários ou manuais que se dedicam a essa tarefa.

Contudo, é possível oferecer à pergunta “Que é ciência?” uma resposta que nos parece bastante objetiva e completa: “Ciência é o conhecimento a partir da causa”. Sim, a partir do que vejo, sinto, toco etc. (efeito) vou à causa. Isso para um bom médico, por exemplo, é muito claro: a febre (efeito) é sinal sensível de uma doença, mais ou menos grave, a ser descoberta na consulta, com ou sem o auxílio de exames. É preciso, portanto, chegar à causa. Agindo assim se faz ciência, pois se trabalha com a relação efeito (febre) → causa (uma infecção) e, depois, em contrário, trata-se a causa (infecção) para cessar o também o efeito (estado febril).

Diferente, no entanto, de ciência, é o cientificismo, pois acredita – sem provar – com fé cega, radical e até fanática, que a ciência experimental tudo explica. Daí, deixar de lado o que não possa ser medido e quantificado, como terá dito um renomado, mas anônimo cirurgião francês: “Só acreditarei na existência da alma humana [espiritual] no dia que conseguir pegá-la na ponta do meu bisturi”.

Temos aí não um cientista, mas um cientificista fanatizado, e que de tão fanático usa a ferramenta errada em sua tentativa de descoberta, pois quer com um elemento material (o bisturi) alcançar algo espiritual (a alma humana). É um absurdo tão grande como, por exemplo, desejar debelar a tuberculose com doses mínimas de um xarope qualquer. O que levaria a essa atitude insana seria o fanatismo, nunca a verdadeira ciência. Como alguém que julgasse poder curar sua filha a necessitar de urgente cirurgia só com orações e outros rituais, sem buscar a Medicina. Se o primeiro fanático é um cientificista (só a ciência!), o segundo é um fideísta (só a fé!), mas nenhum dos dois é cientista (aquele que pelo efeito deseja chegar à causa).

Pergunta-se, então: mas, afinal, o que leva a tudo isso? – A nosso ver, muito brevemente, são dois pontos: o preconceito contra a Metafísica e o desconhecimento de que a ciência trabalha com hipóteses. Vejamos.

1) Preconceito contra a metafísica: o termo grego metafísica (ta metà ta physiká) significa “o que está além da física”. Ora, o famoso cirurgião anônimo é antimetafísico, pois nutre forte preconceito contra tudo o que não possa ser pego e medido em balança de precisão: o amor, a felicidade, a alma, Deus etc. Sua paupérrima realidade se limita àquilo que ele pode ver e tocar. Aliás, o Pe. Dr. Achylle Rubin nos conta que, em um Congresso de filósofos, um deles afirmou: “Eu só admito aquilo que posso ver”. A essa afirmação outro filósofo, educadamente, o desafiou: “Meu caro colega, se você só admite aquilo que pode ver, faça o favor de me mostrar, para eu ver com meus olhos, o sentido dessa sua afirmação” (Também você é filósofo. Santa Maria: Pallotti, 2008, p. 67). Óbvio que era impossível tomar o sentido emocional das palavras e pô-lo sobre a mesa, pois tal sensação não é física, mas metafísica.

2) O cientificismo, com sua fé inabalável na ciência experimental, faz-se assaz insustentável. Isso o afirma o Dr. Newton Freire-Maia, do Departamento de Genética da UFPR, ao escrever que “a ciência está repleta de hipóteses (provisórias) e, comumente, o próprio cientista não tem consciência da precariedade de suas proposições. Quando estudamos História da Ciência e ali encontramos hipóteses que foram alijadas para o porão e substituídas por outras, ficamos aturdidos com a possibilidade de que muitas das nossas hipóteses de hoje possam tomar o mesmo destino” (Curso sobre problemas de fé e moral. Rio de Janeiro: Mater Ecclesiae, 2007, p. 19).

Cabe, todavia, afirmar o seguinte: nem sempre a culpa é toda da pessoa que assim pensa. Ela pode ser fruto de uma formação deficiente na família e na escola que a ensinaram, de modo torto, a não refletir, mas apenas a tomar como certo só os dados cientificistas, antimetafísicos (= materialistas) e racionalistas que lhe foram passados. Essa pessoa chegará e passará, assim, pela faculdade para, finalmente, tornar-se uma profissional com visão manca do mundo. Só lhe é verdadeiro o que ela pega na ponta do bisturi…  Triste demais!

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia