Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Brasileiro encontra irmão caçula desaparecido há 30 anos: seu amigo e funcionário!

irmãos Maicon e Antônio Nunes
Antônio Nunes
Compartilhar

Os dois, assim como o seu irmão do meio, tinham sido adotados cada um por uma família diferente quando ainda eram bebês

O empresário catarinense Antônio Nunes, que tem 35 anos e é conhecido pelos amigos como Tonho, viveu em fevereiro deste ano uma das mais improváveis reviravoltas que poderiam ocorrer na trajetória de uma pessoa da vida real: ele descobriu que um funcionário recentemente contratado para trabalhar na sua empresa era ninguém menos que o seu próprio irmão caçula, com quem nunca havia tido contato em mais de 30 anos.

Sem condições de cuidar das crianças, a mãe de Tonho, Jefferson e Maicon tinha deixado o primeiro filho para ser criado pela avó, enquanto o do meio e depois o caçula foram entregues em adoção, cada um a uma família diferente.

O reencontro dos irmãos maiores

Tonho e Jefferson se reencontraram há cerca de três anos porque a família adotiva do segundo irmão conhecia os parentes do mais velho. Juntos, eles começaram a buscar o caçula, que nem sequer tinham chegado a conhecer: quando Maicon nasceu, os dois maiores já tinham sido entregues às suas novas famílias.

A única pista que tinham de Maicon era vaga: o fato de que a sua adoção havia sido intermediada por uma cabeleireira, funcionária, na época, da antiga rodoviária de Blumenau. Ao conversarem com ela, souberam que o seu último contato fortuito com Maicon tinha ocorrido num domingo de eleição, no Centro de Educação Profissional (Cedup) Hermann Hering.

A inacreditável descoberta do caçula desconhecido

Tonho, que tem uma distribuidora de gás, fazia pessoalmente as entregas do produto a uma empresa cujo conferente se chamava Maicon Luciani, de quem acabou ficando amigo. Ao saber, no final do ano passado, que Maicon tinha perdido o emprego, Tonho ofereceu-lhe vaga na sua própria empresa, onde Maicon passou a trabalhar neste último janeiro.

Em fevereiro, Tonho precisou buscar um funcionário no Paraná e Maicon o acompanhou na viagem, para conhecer o processo de envasamento dos botijões. Durante as horas de conversa ao longo do trajeto, Maicon acabou comentando que o seu sobrenome, antes de ser adotado, “também” era Nunes.

Quem relata a continuação da história é o próprio Tonho, com alegria contagiante, em entrevista ao site da rede NSC:

“Ele continuou a falar que o nome da mãe biológica dele era Sulimar e que havia sido adotado através de uma cabeleireira que trabalhava na rodoviária. Aí eu perguntei:

– O nome do teu pai não era João?

Ele disse sim. Eu perguntei:

– Tu encontrou a cabeleireira no dia da eleição no Cedup?

Ele disse sim. Aí eu falei:

– Gordo, tu és o meu irmão!”

Maicon não conseguia acreditar, mas se rendeu à realidade ao constatar que todas as informações do empresário estavam corretas.

Tonho, entre a felicidade e o assombro, reflete sobre a surpresa reservada a eles pela vida:

Tão perto e, ao mesmo tempo, tão longe! É estranha a sensação… Moramos sempre em bairros vizinhos! Eu sempre procurando e nunca havia passado na minha cabeça que o cara estava do meu lado!”

De fato, durante a vida inteira, os dois irmãos que não se conheciam tinham morado a menos de 5 quilômetros um do outro.

Dizem que “os verdadeiros amigos são irmãos que a gente escolhe“. Tonho e Maicon podem testemunhar que, pelas linhas tortas em que Deus escreve certo, também os verdadeiros irmãos podem ser amigos que a gente escolhe.