Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

“Homem que é homem não mata um filho”

Nalva Aguiar Dia de Formatura
Nalva Aguiar / Captura de Tela YouTube
Compartilhar

A música sertaneja brasileira tem um verdadeiro hino às mulheres que escolheram ter e proteger o filho contra todos os obstáculos

A música de um povo costuma ser um relevante termômetro dos seus valores culturais e sociais. Dentro da ampla variedade de estilos, períodos e tendências da assim chamada “música sertaneja” do Brasil, formaram-se vertentes tradicionais e “de raiz” que reúnem um riquíssimo repertório de canções cuja letra narra histórias impactantes, pontuadas por desafios e tragédias, dramas familiares, questionamentos existenciais, dilemas morais e testemunhos de valores éticos mantidos com firmeza contra todos os obstáculos.

Uma dessas histórias é contada e cantada em “Dia de Formatura“, composição de Moacyr Franco popularizada especialmente na voz de Nalva Aguiar.

A letra, que se tornou um dos grandes clássicos desse estilo musical, é o poderoso depoimento de uma mãe sofredora e vitoriosa que chega ao dia da formatura de seu filho com uma pergunta direta e complexa a martelar-lhe os pensamentos: e se o filho lhe perguntar “Onde está papai?“. A resposta será dolorosa: “Seu pai, quando soube que eu teria um filho, nosso primeiro, não quis aceitar e só quis matar o primeiro herdeiro. Preferi perder meu marido, o homem que eu mais queria, para ter você, que eu já carregava e nem conhecia“. A heroica mãe relata ainda o que enfrentou na vida para proteger seu filho contra todos os obstáculos, até poder transformar a sua trajetória de dor e amor no pungente testemunho em forma de canção: “Eu parti pra luta, fui lavadeira, enfrentei a vida! Mas ganhei a guerra, pois nessa terra nada me intimida. Mas valeu a pena: enfrentei sozinha esta vida dura pra chegar aqui e assistir agora essa formatura“.

A seguir, a letra e a interpretação gravada em vídeo.

Dia de Formatura

Moacir Franco

Se ele perguntar
Se me filho hoje me perguntar
Onde está papai?
Por que nunca veio nos visitar?

Se ele perguntar
Hoje que se forma e se faz doutor
Onde está papai?
Eu vou lhe contar desse meu amor

Seu pai quando soube que eu teria um filho,
Nosso primeiro,
Não quis aceitar e só quis matar
O primeiro herdeiro

Preferi perder meu marido,
O homem que eu mais queria,
Para ter você,
Que eu já carregava e nem conhecia!

Se ele perguntar,
Hoje estou disposta a falar verdade:
Seu pai não morreu
Anda por aí na mesma cidade“.

Se ele perguntar
Por que até hoje ainda me humilho,
Ele vai saber
Que homem que é homem, não mata um filho!

Eu parti pra luta
Fui lavadeira, enfrentei a vida
Mas ganhei a guerra
Pois nessa terra nada me intimida.

Mas valeu a pena:
Enfrentei sozinha esta vida dura
Pra chegar aqui
E assistir agora essa formatura!

Se ele perguntar
Pode ser que até que nem lhe diga nada…
Comece a chorar…
Pelo que passei nesta longa estrada…

Se me perguntar
Por que chora tanto, mamãe? Me diz!
Eu vou lhe explicar
Que nunca até hoje fui tão feliz!

A canção, em voz e vídeo

Vários grandes intérpretes já deram vida com intensidade a essa letra poderosa, mas, no imaginário popular, o clássico se tornou clássico na voz de Nalva Aguiar. O vídeo abaixo, postado no YouTube, registra a sua interpretação emocionante durante uma apresentação televisiva em 1996:

*