Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 26 Janeiro |
São Timóteo e São Tito
home iconEm foco
line break icon

É a “ciência” quem decide o que existe ou não existe?

PAINTING THE STARRY NIGHT

SoulPancake | Facebook | Fair Use

Vanderlei de Lima - publicado em 19/03/19

Toda realidade está contida – ou melhor, teria de estar contida – naquilo que descobrimos pelos sentidos

Prezado(a) leitor(a), a pergunta que dá título a este artigo parece desafiadora, mas é deduzida do modo positivista e neopositivista de fazer ciência, conforme veremos aqui.

Por positivismo entendemos a escola filosófica fundada por Augusto Comte (1798-1857) cujo método de investigação da natureza dá prioridade às leis empíricas, ou seja, àquilo que pode ser tocado, medido, pesado mais de uma vez, sem, porém chegar à causa ou à essência (núcleo) do efeito.

Toda realidade está contida – ou melhor, teria de estar contida – naquilo que descobrimos pelos sentidos, especialmente ao ver, medir e pesar. Fora disso, nada pode ser estudado, pois, segundo os positivistas e neopositivistas (leia-se Círculo de Viena), fica aquém do âmbito das ciências experimentais ou de observação. Sim, eles entendem – e aqui acertam – como objeto de análise das ciências de observação as coisas analisáveis do nosso mundo. No entanto, erram ao julgar que a realidade só se limita ao observável em si mesmo e ao desprezar o clássico conceito de ciência definida como conhecimento dos efeitos por meios das causas, muito mais amplo e abrangente.

Aqui, entra uma fala interessante de Leibniz (1646-1716), filósofo moderno, a afirmar que nós somos atormentados pela seguinte questão: “Por que É tudo o que É, se podia não ser?”. Uma coisa, como o mundo, por exemplo, que é, mas poderia não ser, existe por quê? Como, então, explicá-lo?

Ora, sobre isso argumenta o Pe. Paschoal Rangel, SDN, dizendo que a existência do Universo não tem explicação em si mesma. Ele poderia não existir, mas existe. Aí está. Para o positivista coerente, esse Universo seria um absurdo, pois não tem explicação plausível pelas ciências de observação. Ora, se não pode ser explicável também não pode ser científico. Se não é científico, não existe. No entanto, contra essa visão paupérrima da realidade, o Universo aí está organizadíssimo, logicíssimo, matematicíssimo e requer uma explicação que se não está nele, está fora dele…, mas os positivistas, por coerência, não podem explicá-lo em sua origem e razão de ser, pois teriam de sair do que observam, medem e pesam… (cf. Teologia de jornal. Belo Horizonte: O Lutador, 1996, p. 5-8).

Aqui, lembramo-nos de um provérbio popular que diz: “Sapateiro, aos teus sapatos”, ou seja: que a ciência empírica ou experimental estude o visível, mensurável e pesável está certo. Contudo, reduzir a realidade apenas a isso é absurdo. Seria como dizer que tudo tem de se adaptar ao nosso modo de ser e de pensar. Isso é de um reducionismo gritante. Às ciências de observação cabe estudar a realidade e caso não consigam abarcar essa vida real por inteiro deveriam – se desejassem ser ciências de verdade – aprumar seus métodos, mas nunca negar aquilo que não é captável por suas tecnologias. Afirmar que seu método e aparelho científico não alcançam um fenômeno paranormal, por exemplo, é correto, mas negá-lo porque não é alcançável soa anticientífico. Criem-se, então, novos meios de estudos adaptáveis à realidade, mas não queiram fazer a grande realidade caber em seus importantes, mas limitados moldes.

Isso tudo, pode parecer pesado a quem não tenha o hábito de se questionar, seja aluno ou professor. Aliás, o aluno que levanta isso em sala de aula é tido como inoportuno ou anticientífico e o professor, além de merecer os mesmos apelativos, pode ser, logo, demitido da Faculdade. Com que direito ele ousa questionar a crença nos dogmas do positivismo e do neopositivismo ou da ciência (na verdade, do cientificismo)?

Podemos – e cremos que devemos – voltar ao assunto em outro momento, pois ele merece aprofundamento. Aqui, desejamos apenas tocar no ponto crucial de tudo isso: às ciências experimentais cabe estudar um fato verificável. No caso da Medicina, por exemplo, um doente que sarou instantaneamente deve ser avaliado com seriedade para ver se ocorreu nele a relação causa (remédios ou outros procedimentos médicos) e efeito (cura). Se sim, há explicação pela própria Medicina; se não, é preciso buscar outra causa fora da Medicina… Aqui, entram os teólogos e a fé a confirmar, ou não, que essa outra causa pode ser Deus a realizar um milagre.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
2
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
3
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
4
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
5
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da missa
6
Jérôme Lejeune
Francisco Vêneto
Descobridor da Síndrome de Down está em processo de beatificação
7
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia