Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O crucifixo submerso que atrai multidões nos EUA

ZAMARZNIĘTY KRZYŻ
YouTube
Compartilhar

A imagem de Cristo está 8 metros abaixo de uma crosta de gelo

Mais de 1.200 fiéis dos Estados Unidos foram ao Lago Michigan para caminhar sobre a água congelada e venerar a imagem de Cristo crucificado que está sob o gelo, 8 metros abaixo da superfície e a mais de 200 metros da costa.

Nos últimos quatro anos, o crucifixo não pôde ser visto devido à instabilidade do gelo, mas a onda de frio do inverno de 2019 lhe deu a consistência necessária. Portanto, no último dia 9 de março, os visitantes foram para a cidade de Petoskey, em Little Traverse Bay Bay, para ver a escultura com a ajuda de uma iluminação subaquática e uma barraca para proteger dos raios solares.

“Quando o tempo permite, um clube de mergulho local perfura um buraco no gelo e convida as pessoas a verem a estátua. É a única maneira de contemplar o crucifixo, além de mergulhar no fundo do lago”, indicou ao Grupo ACI em 13 de março Laurent Fady, representante dos Northern Michigan Aerial Services (Serviços Aéreos do Norte de Michigan).

Origem do crucifixo de Petoskey

A imagem de Cristo, com 3,35 metros de comprimento e 839 quilos, foi esculpida em mármore branco na Itália, em 1956, por artesãos locais.

Foi encomendado por uma família de agricultores na cidade de Rapson, quando seu filho de 15 anos, Gerald Schipinski, morreu em um acidente na fazenda da família. Após o evento dramático, os pais do menor escolheram o crucifixo para colocar em seu túmulo. No entanto, a imagem ficou muito danificada devido ao seu transporte através do oceano. Quando chegou a terra, os pais se recusaram a aceitá-la e exigiram uma nova.

Como devolvê-lo para a Itália seria muito custoso, decidiram emprestá-lo por uma temporada à Igreja Católica de São José, em Rapson. No ano seguinte, foi vendido por apenas 50 dólares em um clube local de mergulhadores, que então decidiram mergulhar a imagem em homenagem a Charles Raymond, um mergulhador de Southgate, Michigan, que se afogou no Lago Torch nas proximidades.

Mais tarde, os mergulhadores ampliaram a homenagem e incluíram todos os mergulhadores que perderam suas vidas nas águas do Michigan.

Todos os anos, um sábado de fevereiro ou março, se o gelo estiver firme, o público é convidado a atravessar o gelo para ver o crucifixo. Durante os últimos anos, o gelo esteve instável e os visitantes não foram convidados.

Em 2015, o último ano em que o público viu o crucifixo, a Equipe de Mergulho do Escritório do Xerife do Condado de Emmet relatou um recorde de 2.021 visitantes locais e internacionais que fizeram fila durante duas horas e meia para ver o crucifixo e rezar.

(ACI Digital)