Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Na “contramão”? O país europeu que já tem mais jovens do que idosos católicos

NORTHERN LIGHTS
Alex Tudorica - Leemage
Compartilhar

80% dos que participam da missa dominical são jovens

O número de jovens católicos na Islândia já é maior que o de idosos, segundo matéria do National Catholic Register que destaca a consistência do aumento ao longo de mais de uma década, por conta da imigração. Recuperada após a catástrofe econômica de 2008, a Islândia vem atraindo muitos imigrantes, principalmente do Leste Europeu e da Ásia, para setores como turismo, pesca e tecnologia.

Dom David Tencer, bispo da capital Reykjavik, observa que os membros da Igreja católica no país têm cerca de 100 idiomas nativos diferentes. A maior parte deles é composta por poloneses.

As duas dioceses católicas que existiam na ilha até o século XVI se tornaram luteranas com a Reforma Protestante. Missionários católicos só retornaram com estabilidade ao país em 1857. A prefeitura apostólica de Reykjavik foi criada em 1923 e se tornou diocese em 1968, compreendendo todo o território da Islândia. Hoje, conforme dom David, a ilha tem a comunidade católica que mais cresce nos países nórdicos, passando de cerca de 1.000 em 1970 para 13.500 hoje, o que equivale a 4% da população total do país. A Islândia inteira tem apenas 338.000 habitantes, menos que a cidade de Florianópolis.

Dentre os católicos, 80% dos que participam da missa dominical são jovens, segundo o bispo da capital, que acrescenta que, num ano recente, o número de batismos (150) foi dez vezes maior que o de funerais (15).

Dos 17 padres católicos que atendem os fiéis na Islândia, 16 são estrangeiros e só um é nativo da ilha: 5 vieram da Polônia, 3 da Eslováquia, 2 da Irlanda, 2 da Argentina, 1 da Alemanha, 1 da França, 1 da República Tcheca e 1 da Grã-Bretanha, hoje aposentado.

Embora as perspectivas sejam muito positivas, dom David mantém o realismo:

“As coisas podem mudar muito rapidamente, então quem sabe onde estaremos daqui a dois ou três anos? Pode haver outra crise, por exemplo, e os estrangeiros que vieram para cá podem se mudar da Islândia para outro lugar”.

Mesmo assim, ele considera com entusiasmo a contribuição desses católicos que vêm de fora:

“Esses imigrantes vêm de muitas culturas diferentes, trazendo maravilhosos elementos de fé, costumes e práticas que eles seguem no Natal e durante outros tempos”.

_______________

Com informações do National Catholic Register e da ACI Digital