Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Por que o primeiro ano de casamento não é o mais feliz de todos

RELATIONSHIP
Ivanko80 - Shutterstock
Compartilhar

Ao contrário do que muitos pensam, os casais são mais felizes depois das turbulências dos primeiros anos juntos

Existe uma crença que diz que o primeiro ano de casamento é o melhor de todos. Mas será mesmo? Estudos mostram que não e dizem ainda que os casais são muito mais felizes quando estão juntos há muito mais tempo. Isso acontece porque o casamento precisa de um período de adaptação, os parceiros precisam se organizar com a nova situação de vida e, portanto, o primeiro ano de casamento pode ser considerado mais instável e vulnerável.

Pesquisadores afirmam que entre as principais causas de deterioração do casamento no primeiro ano, por exemplo, estão as despesas para a festa de casamento e a aquisição de uma casa. Isso geralmente cria um clima de tensão entre os casais e pode causar atrito e crise entre eles. No entanto, a partir do segundo ano, quando os casais se acostumam com a nova rotina, o relacionamento melhora. Nós inclusive já mostramos que os casais que estão juntos ​​há mais de 40 anos são muito mais felizes e satisfeitos do que as pessoas que são solteiras, separadas, divorciadas ou viúvas.

Veja algumas dicas para enfrentar o primeiro ano de casamento:

– Escolha as lutas: é normal que surjam durante as primeiras semanas de convivência,  algumas brigas por detalhes bobos e pela dificuldade em tolerar alguns costumes do outro. É muito importante escolher um motivo certo para discutir e encontrar a solução para esse problema específico juntamente com seu parceiro.  Há coisas que simplesmente não valem a pena colocar em debate.

– Não faça suposições: muitas vezes marido e mulher criam esperanças de que alguns hábitos do seu parceiro vão deixar de existir depois do casamento. Fazer esse tipo de suposição é perigoso porque, ao ver que esses hábitos permaneceram, a sua reação pode ser bem pior.

– Aceite as mudanças: o trabalho e as responsabilidades podem fazer com que o ritmo da vida mude e algumas coisas que você esperava fazer com seu parceiro – como ir a festas ou convidar os amigos para jantar todo final de semana – não acontecerem. Tente se adaptar à nova situação sem que as mudanças nos planos se tornem motivo de discussão.

– Não deixem de ser namorados porque estão casados: o encanto do namoro não deve ser perdido. É fundamental manter os detalhes e a atenção do namoro, porque isso alimentará o relacionamento e os fará lembrar a razão pela qual decidiram ficar juntos por toda a vida.

– Vocês são uma nova família: as decisões agora devem ser tomadas em conjunto, de acordo com o que é melhor para os dois e para o futuro da família. Você pode até ouvir e levar em conta as opiniões de amigos e familiares, mas faça isso sem prejudicar os interesses do casal. Se houver discordâncias sobre alguma decisão importante, é o casal que deve conversar e resolver.

(Sempre Família)

 

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.