Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

4 de abril de 1919: há 100 anos, o pequeno São Francisco, de Fátima, partia ao céu

São Francisco Marto
Santuário de Fátima
Compartilhar

Ele, que foi um dos três pastorinhos que testemunharam as aparições de Nossa Senhora de Fátima, morreu aos 10 anos de idade oferecendo a sua dor a Deus

O pequeno grande São Francisco Marto foi, junto com sua irmã Santa Jacinta e sua prima Lúcia, um dos três pastorinhos portugueses que testemunharam em Fátima as aparições do anjo, em 1916, e de Nossa Senhora, em 1917.

Neste 4 de abril de 2019, completam-se exatos 100 anos da sua partida para o Abraço Eterno do Pai.

Uma vida curta, mas de intensa espiritualidade

Quando ficou doente, Francisco sofreu muito fisicamente, mas as testemunhas contam que ele aceitou a dor com serenidade, com fé e com a certeza de encontrar, no céu, “a Senhora vestida de azul”. Conforme as lembranças registradas pela prima, que depois entrou na vida religiosa e se tornou a Irmã Lúcia, o pequeno comentava:

Sofro para consolar Nosso Senhor, e, depois de um tempo, ir para o céu”.

Francisco nasceu em Aljustrel, Fátima, no dia 11 de junho de 1908. No dia 20 do mesmo mês foi batizado.

Em seu diário, a Irmã Lúcia conta sobre ele:

Francisco era silencioso; e para orar e oferecer seus sacrifícios a Deus, gostava de ocultar-se, inclusive de Jacinta e de mim. ‘Gosto de orar a sós para pensar e consolar Nosso Senhor que está tão triste’. Francisco suportou muitos sacrifícios, feitos também de longos jejuns”.

Na sua causa de beatificação e canonização foi sempre destacada entre as suas virtudes a profunda vida contemplativa, particularmente impactante no caso de uma criança.

Os testemunhos de quem o conheceu relatam que a sua oração favorita era aquela ensinada pelo anjo no dia em que lhe apareceu:

Meu Deus eu creio, adoro, espero e amo-vos. Peço-vos perdão por aqueles que não creem, não adoram, não esperam e não vos amam”.

PD
Pastorinhos com o terço

Logo depois das aparições, Jacinta e Francisco seguiram sua vida normal. Lúcia foi para a escola, tal como pediu a Virgem, e era acompanhada por seus primos. No caminho, passavam pela Igreja e saudavam Jesus Eucarístico. Ao saírem do colégio, as meninas o encontravam o mais perto possível do Tabernáculo e em recolhimento. Francisco, sabendo que não viveria muito tempo e levado pelo desejo de consolar o coração de Jesus, dizia:

A partida deste mundo

De fato, a Virgem Maria tinha confiado a Francisco que ele morreria muito jovem. No final de 1918 ele adoeceu de gripe pneumônica, uma epidemia que passou para a História como “a gripe espanhola” e que causou a morte de uma assombrosa quantidade de pessoas em grande parte da Europa.

Conforme recorda o Santuário de Fátima, no ano seguinte, em 2 de abril, Francisco se confessou e recebeu a comunhão pela última vez “com grande lucidez e piedade”, tal como escreve o pároco de Fátima no Livro de Óbitos, ao registar a sua morte, em 4 de abril. “E confirmou que tinha visto uma Senhora na Cova da Iria e Valinho”, acrescentou o sacerdote.

BLESSED JACINTA
Public Domain

O pequeno grande santo faleceu em Aljustrel, na casa da sua família, às 10 horas da noite de 4 de abril de 1919. Faltavam pouco mais de dois meses para completar 11 anos de idade.

Seu corpo foi sepultado no cemitério de Fátima. Exumados em 17 de fevereiro de 1952, os restos mortais foram transladados para a Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima em 13 de março do mesmo ano e lá se encontram até hoje.

Um pequeno grande santo

Francisco Marto foi beatificado junto com sua irmã Jacinta em 13 de maio do ano 2000 pelo Papa São João Paulo II e, também juntamente com a irmãzinha, canonizado pelo Papa Francisco em 13 de maio de 2017, data que celebrava os 100 anos da primeira aparição de Nossa Senhora de Fátima.

A Irmã Lúcia não foi canonizada junto com seus primos porque o seu falecimento ocorreu muitas décadas após o deles: ela viveu, como freira, até 13 de fevereiro de 2005. A fase diocesana da sua causa de beatificação foi aberta em 2008, com autorização do Papa Bento XVI.

A canonização de São Francisco e Santa Jacinta Marto se deu após o Papa Francisco aprovar o decreto que reconheceu o milagre realizado por Deus mediante a intercessão dos pastorinhos em benefício do menino brasileiro Lucas, que se viu curado após ter caído de uma janela a 6,5 metros de altura e ficado em coma.

São Francisco Marto e Santa Jacinta Marto, rogai por nós!