Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Redes Sociais: cuidado com a armadilha de viver pelas “curtidas”

MAN,SELFIE
Shutterstock
Compartilhar

O verdadeiro respeito de uma pessoa que nos conhece bem vale mais do que mil "curtidas" de estranhos

Hoje, nossa busca pela aprovação de outras pessoas foi intensificada pelo surgimento das redes sociais. Mais do que nunca, nossa imagem se tornou muito mais importante em nossos relacionamentos. Temos em nossas cabeças a ideia de que nosso valor vem do que fazemos, não de quem somos; consequentemente, estamos constantemente buscando a aprovação dos outros em tudo que fazemos, o que medimos através de “curtidas” que confirmam que nossa vida é agradável para os outros.

Se fazemos coisas com o único objetivo de receber algo em troca (atenção, aplausos, reconhecimento…), estamos nos escravizando para criar uma imagem que usamos como moeda para comprar a satisfação de nossa profunda necessidade de aprovação. Isso nos faz cair no egocentrismo (colocando-se no centro de tudo), utilitarismo (dar porque queremos algo em troca) e superficialidade (relações vivas em um nível de “comércio”, não de amor e compartilhamento autênticos).

Quando o que fazemos não é uma expressão autêntica de quem somos e do que acreditamos, mas sim uma tentativa de obter a aprovação de outras pessoas, nos sentiremos tristes logo após recebermos o aplauso deles. Depois que uma de nossas fotos no Facebook ou no Instagram tiver muitas curtidas, ela logo será esquecida, e nós sentimos a necessidade de mais reconhecimento, então publicamos uma nova foto. Nossa fome de afeto continuará crescendo, e nos sentiremos cada vez mais frustrados pela curta duração desse tipo de atenção, possivelmente levando-nos a nos engajar em comportamentos obsessivos: passar horas em redes sociais, tirar e postar fotos de tudo que fazemos etc.

Isso não quer dizer que postar em redes sociais seja ruim. Torna-se um problema quando não estamos fazendo isso para nos conectar com amigos e colegas, construindo relacionamentos reais que podem encontrar uma correlação no mundo real, mas, em vez disso, buscar uma ilusão efêmera.

Tomamos o caminho errado quando temos uma necessidade insaciável de admiração e validação, através de “curtidas” nas redes sociais; quando buscamos a aprovação de amigos, familiares e até estranhos em tudo o que fazemos; quando dizemos “sim” a tudo o que as pessoas nos pedem, para que outras pessoas tenham uma boa opinião sobre nós; e quando estamos tão focados na adrenalina de conseguir uma “curtida” que perdemos o contato com nossos sentimentos mais autênticos, esquecendo como é o amor e a amizade verdadeiros.

Essa necessidade de aprovação é insaciável e precisa ser constantemente renovada, porque não é autêntica. Nós não deveríamos estar buscando validação, principalmente dos outros; primeiro, deve vir de nós mesmos. Se formarmos adequadamente nossos critérios e consciência para tomarmos boas decisões, não hesitaremos em ir contra a opinião de outras pessoas, se é que achamos que está certo. Vamos nos permitir tentar coisas novas e cometer erros, porque entenderemos que “errar é humano” e faz parte do processo de aprendizagem, mesmo que outras pessoas não gostem.

Uma maneira de saber se estamos muito focados em obter a aprovação de outras pessoas é nos observar em contextos diferentes e nos perguntar o que realmente precisamos e o que estamos fazendo para satisfazer essas necessidades. Se percebermos que estamos agindo contra nossos próprios interesses para agradar a outras pessoas – que talvez nem nos conheçam bem ou se preocupem conosco – isso deveria ser um sinal de alerta de que precisamos mudar e parar de implorar pelo amor de outras pessoas a qualquer preço.

Precisamos parar de projetar uma imagem do que pensamos que outras pessoas querem ver. Precisamos ser autênticos e sinceros, olhando para nossos amigos e familiares, pessoas que realmente nos amam, para apoio e aconselhamento. Não há nada de errado em pedir a opinião de outras pessoas – pelo contrário, pode ser útil para nós às vezes – mas nunca devemos tomar uma decisão apenas porque achamos que é isso que fará as outras pessoas felizes. Devemos fazer o que achamos ser melhor: a decisão com a qual seremos mais felizes, com uma consciência pacífica.

As pessoas que realmente nos amam não querem que façamos coisas apenas para fazê-las felizes, e se elas perceberem que estamos agindo com base em nosso melhor julgamento, elas aprenderão a respeitar nossas decisões. O verdadeiro respeito e amor de uma pessoa que nos conhece bem vale mais do que mil “curtidas” de estranhos e conhecidos que só veem a imagem que projetamos nas redes sociais.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.