Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Sempre desapontado com os outros? Veja o que isso diz sobre você…

ZNUDZONY CHŁOPIEC
Shutterstock
Compartilhar

... e aqui está o que você pode fazer para manter a alegria

A menos que você tenha vivido a vida de um eremita, as pessoas o desapontaram. É um dos maiores desafios dos relacionamentos. Mesmo aqueles que mais amamos não atendem às nossas expectativas de forma bastante consistente. Quer seja como queremos que eles nos façam sentir, ou da maneira que queremos que eles respondam a uma necessidade ou desejo em particular, ou talvez seja apenas porque eles têm uma perspectiva diferente da nossa. Independentemente disso, nossos relacionamentos são repletos de resultados decepcionantes.

Recentemente, porém, eu me dei conta de que talvez a decepção esteja no fato de que estamos simplesmente esperando demais um do outro.

Para ser claro, não estou defendendo que rebaixemos os padrões básicos. Se as pessoas mentem, roubam, enganam ou tratam os outros de alguma forma que viola civilidade e decência básicas, devemos responsabilizá-las.

O que eu estou falando aqui é que, como seres humanos, temos uma falha fatal quando se trata do quanto acreditamos que os outros devem ajudar e unir-se a nós – seja física, psicológica, social ou espiritualmente.

Embora isso varie de acordo com o temperamento e as experiências, muitos de nós lutam com amargura e decepção quando os outros não parecem perceber (ou responder) o que sentimos que precisamos. No fundo de nossa mágoa pode estar uma questão que todos devemos considerar: estamos simplesmente esperando demais um do outro?

Como pai de sete filhos, é interessante ver o desenvolvimento psicológico de cada criança. Quando se trata de nosso filho mais novo, que tem pouco menos de dois anos, suas expectativas em relação aos outros são bem diretas. Simplificando, se você satisfaz seus desejos básicos de comida, atenção positiva e mantém a fralda limpa, ele geralmente fica feliz.

Mas à medida que nossos filhos envelhecem, fica claro que suas expectativas em relação aos outros aumentam, tanto em quantidade quanto em sutileza. Nossos filhos mais velhos (gêmeos de 12 anos de idade) já estão exibindo uma mistura complexa de expectativas que não são facilmente reveladas. No entanto, vinculado diretamente a toda essa complexidade está a sensação de que o ego de cada criança – especialmente no que se refere a como suas necessidades serão atendidas – está fortemente formando as expectativas que elas desenvolverão para os outros quando forem adultas.

Quando você aprende a confiar absolutamente nos outros em casa, no trabalho, nos círculos sociais e em outros aspectos, até questões aparentemente menores podem levar a um desgosto monumental. E, embora cada um de nós possa certamente ser mais sintonizado, mais carinhoso e mais atencioso, acredito realmente que evoluímos como seres humanos para confiar demais nos outros para satisfazer nossas próprias necessidades, especialmente as psicológicas.

O positivo aqui, porém, é que, embora os seres humanos tenham sido criados para serem infinitamente imprevisíveis e complexos, o mundo à nossa volta – embora não em um cronograma infalível – é frequentemente previsível e confiável.

Tomemos por exemplo o fato de que conhecemos e vivenciamos muito sobre o mundo natural. Outro dia, meu filho Noah e eu estávamos caminhando para casa da igreja na neve. Foi um simples passeio cheio de grande conversa (e sem expectativas) sobre ventos, precipitação e muitas outras coisas relacionadas às condições meteorológicas.

No final, foi alegre porque cada um de nós foi capaz de compartilhar maneiras em que o mundo natural nos “trouxe para dentro dele”, mesmo quando estávamos sozinhos. No entanto, muitas vezes, consideramos o mundo natural ao nosso redor como uma fantasia passageira ou um aborrecimento a superar (especialmente no inverno). Quando fazemos isso, em qualquer aspecto de nossas vidas, perdemos uma superabundância de interesse, intriga e previsibilidade que poderiam enquadrar e confortar nossos relacionamentos imprevisíveis, e que, em geral, vivemos.

Diminuir nossas expectativas em relação aos outros não apenas reduz a chance de descontentamento e frustração, mas também abre um corredor para considerar o que nosso mundo aparentemente mundano e as pessoas que vivem nele têm para oferecer.

Não estou sugerindo que nos estabeleçamos em uma existência paralela e organizada, em que nos resignamos a estar em comunhão inferior aos outros. Pelo contrário, o que estou sugerindo é que, se reduzirmos nossas expectativas internas em relação aos outros, podemos nos tornar conscientes de alegrias anteriormente desconhecidas que estão sempre disponíveis, não importa o que esteja acontecendo em nossos relacionamentos pessoais ou públicos.

Ainda mais, podemos descobrir que quando paramos de esperar que os outros satisfaçam todas as nossas necessidades e desejos, podemos descobrir que, lentamente, um relacionamento retorna a um lugar de maior mutualidade, compreensão e razão, onde estamos mais agradecidos do que nunca pelo que os outros fornecem para que nos sintamos mais seguros, amados e compreendidos.

Como seres humanos – sejam cônjuges, pais, filhos, amigos, colegas de trabalho e até figuras públicas – nunca vamos parar de nos desapontar. Se fizermos isso de uma forma que viole os direitos humanos básicos e a decência, então, as consequências apropriadas se seguirão.
Mas, como todos nós deixamos de corresponder às expectativas que cada um de nós tem, vamos considerar que às vezes podemos estar esperando muito, e se for assim, é hora de deixar ir e focar no que devemos fazer. E isso pode se tornar o começo de uma nova percepção de que algo ainda melhor está no horizonte.
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.