Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

3 benefícios do jejum para a saúde mental, segundo Tomás de Aquino

POST W INTENCJI BEZDOMNYCH
Shutterstock
Compartilhar

Pesquisas mostram que há grandes benefícios físicos em jejuar, mas a prática também faz muito mais para nós

A Sexta-feira Santa está próxima, o que significa que muitos de nós estaremos frequentando igreja em algum momento durante o dia. Isso também significa que comeremos pouco, porque é um dia de jejum. Os cristãos sempre jejuam na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira Santa para marcar a época da Quaresma e como um sinal de união ao sofrimento de Cristo.

Para mim, os dias de jejum são desafiadores e meu estômago vazio faz com que eu me pergunte por que uma pessoa não come voluntariamente, se não for por razões puramente espirituais.

Mas um pouco de pesquisa, no entanto, revela que você não precisa ser religioso para jejuar, e muitas pessoas deixam comida perder, por todos os motivos. Embora não seja a experiência mais agradável, há vários benefícios comprovados. Ficar sem comida por um dia ajuda na perda de peso, a estabilizar os níveis de insulina, promove regeneração celular, reduz inflamação e pode até retardar o processo de envelhecimento. Fisicamente, parece que é um hábito bom e saudável privar-se de comida de vez em quando, mas há também benefícios para a saúde mental?

Sim, existem. São Tomás de Aquino, filósofo e teólogo do século 13, escreveu sobre um vasto número de tópicos, e entre eles o jejum. Em sua Summa Theologica, ele assinala três benefícios do jejum que podem ajudar a nos motivar:

Ajuda a controlar nossos maus hábitos

Maus hábitos são formados por desejos descontrolados. Todas as nossas escolhas, sejam boas ou ruins, vêm da nossa personalidade. Então, se eu puder ter sucesso em desistir de comida por um dia e controlar o desejo de fazer um lanche, essa conquista vai me ajudar com outros desejos que eu deixo sair do controle. Tenho certeza de que todos nós os temos – o desejo de riqueza, fama, você escolhe. Pode ser o desejo de fofocar, dar uma espiada em uma pessoa atraente de forma inadequada ou cobiçar um certo carro ou casa nova. Jejuar de comida por um dia parece totalmente não relacionado a isso, mas na verdade é uma disciplina que nos ajuda a crescer em autocontrole.

Tira o foco de nós mesmos

São Tomás escreve: “recorremos ao jejum para que a mente possa estar mais livre para a contemplação das coisas celestiais”. Quando estamos envolvidos em desejos, isso nos torna auto-centrados. Podemos ficar obcecados por algo, de forma que nossos pensamentos fiquem presos em nós mesmos. O jejum tira nossas mentes do foco em nossas próprias necessidades e egoísmos.

Promove a saúde mental e espiritual

Para afirmar isso, São Tomás recorre a uma citação de Santo Agostinho, que diz: “jejuar purifica a alma…” Em outras palavras, dar um tempo na atitude de só alimentar o corpo nos dá a oportunidade e o foco para alimentar a alma. A vida é cheia de distrações, tarefas e compromissos. Quando ficamos sem tempo para fazer tudo em um dia, o que fica de fora é a nossa saúde mental e espiritual. O jejum é uma oportunidade para redefinir prioridades. Pular até mesmo uma refeição é um sacrifício que terá enormes benefícios.

A oportunidade de comer boa comida é um dos maiores prazeres da vida, e desejo a todos vocês muitas festas felizes com amigos e familiares. O conceito de jejum não significa que não devamos gostar de uma boa comida; significa que devemos dar por garantida toda refeição. E, mais importante ainda, ajuda-nos a nunca dar por garantida a saúde mente e espiritual.