Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Sim, os católicos franceses rezam: e rezam em público, de joelhos, convictamente

Compartilhar

Foi um bálsamo para corações e consciências do mundo todo vê-los testemunhar uma fé que não quer e não vai morrer

Tornou-se clichê tachar a França de “filha pródiga da Igreja” e descrevê-la como um país cada vez mais descristianizado e espiritualmente apático. Há muito de verdade nessa generalização – o que, de resto, é válido também para a maioria dos demais povos do Ocidente.

No entanto, como em toda generalização, o erro crucial é a generalização em si mesma. Não somente a França é menos descristianizada que vários outros países como também permanece e mesmo cresce, entre muitos indivíduos, famílias e grupos franceses, uma acesa e vivíssima chama da fé católica, declarada nas estatísticas e, principalmente, praticada na vida real.

A própria Aleteia tem na sua redação francesa uma fonte permanente de testemunhos e inspirações extraordinárias, dentre as quais fazemos questão de destacar, no mínimo, estes 5 artigos:

 

A fé resiste no coração da França

Nesta madrugada triste, em que da Catedral de Nôtre-Dame se elevaram fumaça e fogo, elevaram-se também, diante dela, calor e luz. Inúmeros jovens, idosos, adultos, crianças, adolescentes, famílias, amigos, fiéis, se uniram para rezar. A Nossa Senhora. A Nôtre-Dame. Franceses. Em francês. Em pé e de joelhos. Em público. Espontaneamente. Sinceramente. Desejosamente.

E, com eles, rezaram juntos mulheres e homens de todo o mundo, unidos pelo simples impulso de rezar.

Talvez tenham sido cenas que o mundo não esperava – mas pelas quais, no fundo da consciência, agradece de coração mais leve. “Ave, Maria… Rogai por nós“.