Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Julho |
Santos Abdon e Sénen
home iconEstilo de vida
line break icon

A “iGen”: os adolescentes que estão mais sozinhos do que nunca

Jaime Septién - publicado em 18/04/19

Os índices de depressão e infelicidade dispararam entre os adolescentes após 2012

Jean Twenge é professora de psicologia da San Diego State University (Califórnia, Estados Unidos). Em seus estudos sobre a era digital e a geração hiperconectada, ela afirma é que os adolescentes passam hoje menos tempo com seus amigos e estão mais sozinhos do que nunca.

Não é que os adolescentes estejam menos sociáveis. Mas o ambiente de sua sociabilidade mudou, especialmente no que diz respeito a relacionamentos mais afetuosos, face a face, com amigos verdadeiros e reais.

Twenge chama essa geração de “iGen” – também chamada de “Geração z” –, uma geração que está constantemente conectada com seus amigos através da mídia digital e gasta, em média, até nove horas por dia com dispositivos eletrônicos.

O pesquisador e seu grupo de estudos têm comparado a média de tempo que as diferentes gerações têm dedicado a estar com amigos. Também estão pesquisando a sensação de solidão entre diferentes gerações.

Uma socialização diferente

Para encontrar respostas concretas, Twenge e seus colaboradores examinaram dados de como 8,2 milhões de adolescentes americanos passaram algum tempo com seus amigos desde a década de 1970.

O resultado é que os adolescentes de hoje “estão socializando com os amigos de maneiras fundamentalmente diferentes, e eles também são a geração mais solitária já registrada”.

O tempo que os adolescentes passaram frente a frente com seus amigos diminuiu desde a década de 1970, a queda acelerou após 2010, justamente quando o uso de smartphones começou a crescer. Antes, era a televisão que ocupava o tempo.

“Em comparação com os adolescentes de décadas anteriores, os adolescentes da iGen têm menor probabilidade de se reunir com seus amigos. E também menor propensão a ir a festas, sair com os colegas, celebrar datas, passear para se divertir, e até mesmo ir às compras ou cinema”, diz Twenge.

Menos tempo com o outro

E não é porque eles gastam hoje mais tempo no trabalho ou em atividades extracurriculares. Os adolescentes de hoje dedicam-se menos ao trabalho remunerado, o tempo de lição de casa não mudou – até mesmo diminuiu desde os anos 90 –, e o tempo gasto em atividades extracurriculares é praticamente o mesmo.

No entanto, eles gastam menos tempo com seus amigos pessoalmente. No final dos anos 70, 52% dos estudantes do ensino médio se encontravam com seus amigos quase todos os dias. Em 2017, apenas 28% fizeram isso. A queda foi especialmente acentuada após 2010.

O pesquisador e os co-autores questionaram, imediatamente, se essas tendências teriam implicações em sentimentos de solidão. E a resposta foi que, de fato, justamente quando a queda no tempo face a face acelerou, após 2010, os sentimentos de solidão dos adolescentes aumentaram.

Entre os estudantes do ensino médio, 39% disseram que se sentiram sozinhos muito tempo em 2017, em comparação com 26% em 2012. Além disso, 38% disseram ter-se sentido muitas vezes excluídos em 2017, em comparação com 30% em 2012.

Preocupação

“Os níveis mais altos de solidão são apenas a ponta do iceberg”, diz Twenge. Ele acrescenta: “As taxas de depressão e infelicidade também dispararam entre os adolescentes depois de 2012, talvez porque passar mais tempo com telas e menos tempo com amigos não seja a melhor fórmula para a saúde mental”.

O pesquisador chama a atenção para o fato de que há algo especial em estar perto de outra pessoa, a corporalidade, o contato visual, o riso; e tudo isso não pode ser substituído pela comunicação digital.

Tags:
AmizadeDepressãoSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira rezou todos os dias às 3h...
2
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
3
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
4
CANDLELIGHT PROCESSION AND ROSARY
Elizabeth Zuranski
A oração escondida no fim da Ave-Maria
5
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
6
morning
Philip Kosloski
Uma oração da manhã fácil de memorizar
7
Claudio de Castro
Como salvar nossas almas nos últimos minutos antes da morte
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia