Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Você e seu filho são amigos?

FAMILY
Shutterstock
Compartilhar

Buscar aproximação e estabelecer um diálogo ajudam a manter um bom relacionamento com o filho adolescente

Um dia, enquanto caminhava com uma amiga pelo shopping, presenciamos uma mãe chamando a atenção do filho em voz alta. O adolescente, que aparentava ter cerca de 14 anos, pareceu muito envergonhado e tentou sair de perto da mãe o mais rápido possível.

Notei a cena em segredo, porém minha amiga – que é mãe de um adolescente da mesma idade –  se familiarizou com a situação e soltou: “isso já não acontece mais comigo, mudei meu jeito de lidar com meu filho e agora somos amigos”.

A partir daí, por quase duas horas, ela me contou todos os desafios que tinha em casa, pois o filho, que até os 11 anos demonstrava ser um menino muito calmo e doce, passou a apresentar alguns sinais de rebeldia. 

Como suas palavras tinham um tom do tipo: “você também tem um filho, então memorize essas minhas dicas, pois elas poderão ser muito úteis no futuro”, guardei mentalmente as três linhas gerais dessa conversa e vou compartilhá-las aqui.

1. A importância dos momentos de lazer em família

Segundo minha amiga, ter um programa semanal em família virou uma regra.Ela disse que passou a sentir o filho mais próximo depois que ela e o marido fixaram um dia de passeio em família e que são flexíveis com as vontades do filho, pois o deixam sugerir eventos, restaurantes, filmes e, muitas vezes, permitem que o garoto convide um ou dois amigos a se juntarem a eles.

Essa aproximação permitiu uma observação mais atenta sobre como o comportamento do garoto tem mudado, como são suas amizades e como ele os colegas compartilham dos mesmos gostos.

LARGE FAMILY
Di YanLev - Shutterstock

2. Ouça seu filho com a razão, não com a emoção

Muitos adolescentes têm um poder argumentativo surpreendente e, não raro, deixam os pais sem uma resposta no momento necessário. Minha amiga disse que, em alguns embates que tinha com o filho costumava entrar em pane ao tentar rebater a forte opinião dele. Muitas vezes, o garoto soltava frases do tipo “é assim e ponto” para encerrar a discussão.

Ela disse que é um exercício muito difícil, mas que ouviu de seu terapeuta que é importante tentar ouvir os jovens com a razão, deixando a emoção de lado. Segundo ela, desde que o filho fale com respeito, ele tem total liberdade de expressar sua opinião e que, mesmo sabendo que a mãe não vai mudar de ideia, o garoto sente-se bem por ser ouvido.

MATKA ROZMAWIA Z SYNEM
Shutterstock

3. Seja firme

“Baixei a guarda, mas não amoleci”: foi essa a frase usada por minha amiga para resumir sua mudança de atitude em relação ao filho. Segundo ela, o ambiente em sua casa está mais harmonioso e sem brigas, porém isso não quer dizer que as regras mais rígidas deixaram de existir.

Segundo ela, dormir na hora certa, fazer os deveres da escola e manter o quarto organizado são algumas das “leis” que devem ser cumpridas sem questionamentos. Ela fala que é importante que ele siga certa disciplina, pois sabe que em algum momento a vida adulta vai lhe cobrar isso.

Por fim, minha amiga sabe que quando é necessário lembrá-lo disso, é impossível não ser enfática: “Um dia ele vai crescer, ser adulto e terá de lidar com sua liberdade de escolha, mas por enquanto é apenas um jovenzinho que, às vezes, quer agir por conta própria e, nessas horas, meu papel é de adverti-lo de que ‘regras são regras’”, conclui.

FATHER
Shutterstock-Stock Rocket
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.