Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Simon, 4 anos, tem síndrome de Down e ajuda feliz os 3 irmãozinhos deficientes

SIMON CLARK, BULGARIA, DOWN
Compartilhar

Podemos existir sem atingir aquelas ridículas quotas de falsa perfeição que as expectativas fúteis da sociedade tentam exigir de todo o mundo

Esta é a história de uma família norte-americana extraordinária e, ao mesmo tempo, perfeitamente normal: Jeremy e Nicole adotaram 4 crianças da Bulgária, todas elas com alguma deficiência. O caçula, Simon, de 4 anos, ainda nem fala inglês, mas já cuida bem dos outros irmãozinhos.

Por onde você começa a contar uma história dessas?

Talvez pelo encontro de um homem e uma mulher que se apaixonam, se casam sem muitas delongas e expandem o seu sim à vida de um modo quase absurdo aos olhos dos outros, mas espontâneo e natural aos olhos deles próprios.

Jeremy Clark / Facebook

Jeremy Clark é professor e Nicole é enfermeira: seus currículos já dão a entender uma predisposição a cuidar de quem precisa. E eles cuidam! Alex, o filho mais velho, de 6 anos, tem síndrome de Down, assim como Simon, o caçula, de 4. Os do meio, David e Jon, de 5 e 6 anos, têm paralisia cerebral.

Jeremy Clark / Facebook

É claro que Jeremy e Nicole têm qualidades educacionais e até médicas para cuidar muito bem dos quatro filhos, mas eles também têm outro atributo significativamente relevante. Jeremy conta:

Criar quatro crianças com necessidades especiais exige muito trabalho e há muitos fatores a serem atendidos. A chave é viver com alegria todas as atividades que nós fazemos. Recentemente, eu calculei quanto tempo leva para escovar os dentes de todos e prepará-los para dormir: 30 minutos. É bastante tempo. Felizmente, a minha esposa Nicole, que é enfermeira há dez anos, parou de trabalhar para ficar em casa o tempo todo e cuidar dos filhos. Cuidar dessas crianças é uma ótima experiência. Eles estão sempre animados e felizes. Eles ficam felizes com pequenas coisas que outras crianças podem dar por corriqueiras” (entrevista para o jornal Daily Mail).

A chegada de Simon deu a Nicole um verdadeiro assistente de primeira categoria.

Simon, o valente

Seu nome de nascimento, na Bulgária, é Zadock. O menino de 4 anos de idade que mora em Salt Lake City há alguns meses é o quarto filho adotivo da família Clark. Embora ainda não fale inglês, Simon é o mais falante da prole – seus irmãozinhos têm dificuldades com a verbalização. Parece que a chegada do caçula é comparável a um furacão de energia!

“Desde que o Simon se juntou a nós, os dias ficaram um pouco mais longos: eles começam um pouco mais cedo e terminam um pouco mais tarde, então temos mais tempo para ser bons pais”.

Sem que os pais lhe peçam, o pequeno ajuda a lavar a louça, a dar comida aos irmãozinhos (comendo a metade da parte deles, é claro), além de brincar com eles e até auxiliar na hora de medicá-los.

Simon, assim como seus irmãos, se sente amado por pessoas que decidiram colocá-lo no centro da sua existência.

É a partir de famílias repletas de amor, como a deles, que se irradia sobre a humanidade a esperança verdadeira: a de que todos podemos, sim, existir em companhia uns dos outros sem precisarmos atingir aquelas ridículas quotas de falsa perfeição que as expectativas fúteis da sociedade tentam exigir de todo o mundo.

A realidade é muito mais bela do que esses devaneios: existem pessoas incompletas, necessitadas de ajuda, e é nelas, incontáveis vezes, que encontramos as pistas mais efetivas para a verdadeira felicidade.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.