Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A vontade de Deus na vida de um rei…

CHARLES OF AUSTRIA
Carlos da Áustria
Compartilhar

… que não é diferente da vontade Dele na nossa

“Agora, quero dizer-lhe com absoluta franqueza como se dá comigo: todo o meu empenho sempre foi reconhecer claramente, em tudo, a vontade de Deus e segui-la da maneira mais perfeita” [1].

Essa confissão do bem-aventurado Carlos da Áustria, feita a sua esposa na noite de sua morte, é o “testamento de todos os santos”, no fundo. Se alguém nos perguntasse que é, que faz um santo ou que nota se poderia achar em todos e cada um deles, poderíamos responder, simplesmente: os santos são aqueles que cumpriram a vontade de Deus; são os que fizeram da petição dominical: Fiat voluntas tua, o seu estandarte neste mundo.

Mas e nós, como podemos reconhecer em nossa vida essa vontade de Deus?

O primeiro caminho e o mais fundamental encontra-se naquilo que Nosso Senhor já nos deixou revelado, principalmente através de seus Mandamentos (necessários para a salvação) e de seus conselhos (necessários para a santificação). De fato, quando o jovem rico se aproximou de Cristo (cf. Mt 19, 16-22) perguntando-lhe o que devia fazer para ganhar a vida eterna, Deus mostrou-lhe primeiro o Decálogo; como já o cumprisse, então, Ele mostrou-lhe mais: o “caminho da perfeição”, que consiste no desapego, na caridade e no seguimento humilde de Jesus.

A essa vontade de Deus manifesta através da Revelação São Francisco de Sales dá o nome de “vontade significada de Deus”:

A doutrina cristã propõe-nos claramente as verdades que Deus quer que creiamos, os bens que quer que esperemos, as penas que quer que temamos, o que quer que amemos, os mandamentos que quer que guardemos e os conselhos que deseja sigamos. E tudo isso se chama a vontade significada de Deus, porque Ele nos significou e manifestou que quer e exige que tudo isso seja crido, esperado, temido, amado e praticado [2].

Só em nos determos nisso já podemos resolver muitos dos problemas com que muitas vezes nos deparamos nesta vida. De fato, quando se apresentam diante de nós, claramente, o bem e o mal, a Palavra de Deus e a sedução do diabo, que dúvida pode existir no caminho a ser tomado?

Neste ponto, um fato da vida do Beato Carlos da Áustria — ocorrido quando ele já se tinha afastado do trono do Império Austro-Húngaro — pode ajudar-nos a entender a seriedade e a firmeza do propósito que devemos ter no combate contra o pecado:

Durante o exílio suíço, mais de uma vez, altos expoentes da maçonaria ofereceram a Carlos a possibilidade de retomar, através de sua ajuda, o trono do qual, também por causa deles, ele tinha sido deposto, com a condição de que admitisse leis mais liberais com relação ao matrimônio, um sistema de escola livre e a admissão da maçonaria na Áustria. A resposta que dava a tais propostas era verdadeiramente exemplar: “Aquilo que recebi das mãos de Deus não posso aceitá-lo das mãos do demônio” [3].

É certo que esse é o tipo de tentação específico de uma autoridade civil, mas, em nossa vida diária, em nossas próprias funções e estados de vida, quantas não são as situações nas quais devemos escolher se iremos seguir a vontade de Deus ou se faremos, ao contrário, a nossa vontade, traindo a Deus e pecando contra Ele!

Nesta matéria, não há “discurso de tolerância” possível, nem “meio-termo”: diante de uma tentação, como diz Orígenes, ou saímos mártires ou idólatras [4]; ou dizemos sim a Deus e não ao pecado, ou dizemos sim ao pecado… e não a Deus. Assim, sendo bem práticos, ou se vai à Missa ao domingo, ou é necessário confessar-se para voltar a comungar; ou se comete adultério, ou se é fiel; ou se fornica, ou se é casto; ou se rouba, ou se é honesto.

Essas alternativas nos mostram como a oposição mais radical que há à vontade de Deus é quando lhe voltamos as costas pelo pecado mortal. “Há pecado que é para a morte” (1Jo 5, 16), ensina a Escritura, e isso ocorre quando “a alma provoca uma desordem que vai até à separação do fim último — Deus — ao qual se encontra ligada pela caridade” [5]. Isso quer dizer que, assim como não se pode receber as bênçãos de Deus e aceitar ao mesmo tempo as vis ofertas do demônio, assim como não é possível dizer-se amigo de Cristo e, ato contínuo, traí-lo por trinta moedas de prata, “no plano atual da Providência, toda alma se encontra ou em estado de graça, ou em estado de pecado mortal” [6], e tertium non datur.

Relativizar isso — como tantos em nosso tempo, inclusive em posições de autoridade, têm procurado fazer — é relativizar a doutrina de sempre da Igreja, é pôr abaixo todo o edifício moral católico… é frustrar toda possibilidade de que as pessoas tenham uma vida espiritual. Afinal de contas, sem o estado de graça, não há céu depois desta vida e… que tragédia pode haver maior do que essa? O Beato Carlos da Áustria o havia compreendido muito bem e, ainda em seu testamento, deixou consignado este desejo do seu coração a respeito dos próprios filhos: “Deixai-os antes morrer que cometer um pecado mortal. Assim seja” [7].

Eis como deve pensar todo homem que tenha ! Para o Beato Carlos, assim como para todos os santos e santas da Igreja, havia a clara consciência de que é melhor perder o mundo inteiro, pela morte física, do que a vida eterna, pela morte da alma. Mas ai de nós! Quantos estamos dispostos a essa simples determinação?

Há entretanto um outro “tipo” de vontade divina, por assim dizer, a cuja obediência está necessariamente ligado um grandioso progresso na vida de santidade: trata-se da “vontade de beneplácito de Deus”, que se manifesta em “todos os acontecimentos providenciais que Deus quer ou permite para nosso maior bem, e sobretudo para nossa santificação” [8].

Por mais que muitos caiam na ilusão de que detêm o controle das próprias vidas, a verdade é que o roteiro da história humana é escrito pelo Criador. Ele, em sua providência, tudo ordena e governa com sabedoria, em seus mínimos detalhes, de modo que até mesmo os “erros” deste ou daquele instrumento da orquestra são dispostos de forma a deixar ainda mais bela e perfeita a sinfonia da história. Em nossa vida particular mesmo, quantas “notas” destoantes não terminam se ajustando a todo o conjunto! Quantas vezes o que encaramos como uma “desgraça” não acabou se mostrando uma grande graça!

Não só quando enxergamos o bem por trás das coisas que nos acontecem, no entanto, mas principalmente quando não conseguimos compreendê-las, é o momento de abandonar-se à vontade de Deus, como fez Santo Jó: “O Senhor deu, o Senhor tirou, bendito seja o nome do Senhor!” ( 1, 21); “Se aceitamos de Deus a felicidade, não deveríamos aceitar também a infelicidade?” ( 2, 10).

Não se trata de coisa fácil, é verdade. Entregar-se à vontade divina de beneplácito, dizer-lhe, ainda que com o coração aflito: Fiat voluntas tua, significa entregar o controle da própria vida nas mãos de Outro. O mais simples ato de abandono nesse sentido talvez nos fará sentir “inseguros” num primeiro instante: “Como assim?”, perguntarão nossos sentimentos, “entregar as rédeas de sua vida assim, sem mais nem menos?” Mas a isso devemos responder com o ato de fé de quem se sabe cuidado por Deus, de quem se sabe amado por Ele com o maior amor, o amor total, o amor de holocausto.

O desejo de Deus por nós, caro leitor — celebramos isso há pouco na Semana Santa —, levou-O à Cruz. Que provas mais de amor poderemos nós reclamar, se Ele deu o seu próprio Filho para a libertação dos escravos, como cantamos na noite do Sábado Santo: ut servum redimeres, Filium tradidisti? Se Ele nos amou assim, como não lançarmos todas as nossas preocupações em suas mãos (cf. 1Pd 5, 7), confiantes de que Ele fará não o que queremos, mas o que Ele sabe ser melhor para nós? Como não rezar com Santa Teresa as seguintes linhas de seu Caminho de Perfeição?

Cumpra-se em mim, Senhor, vossa vontade de todos os modos e maneiras que Vós, Senhor meu, determinardes. Se quiserdes enviar trabalhos, dai-me força, e venham! Se perseguições e enfermidades e desonras e mínguas, aqui estou! Não afastarei o rosto, Pai meu, nem há razão para virar as costas. Pois vosso Filho, em meu nome e no de todos, deu esta minha vontade, não quero que haja falha da minha parte. Fazei-me Vós graça e dai-me vosso reino, como Ele o pediu, a fim de que eu o possa executar; em seguida disponde de mim como de coisa vossa, conforme a vossa vontade [9].

A lista de citações dos santos a esse respeito é abundante, mas, tendo nós começado estas linhas com o Beato Carlos da Áustria, terminemo-las também com uma frase sua régia, que ele costumava repetir com frequência, segundo o testemunho de sua esposa: “Encontramo-nos nas mãos da Divina Providência”, ele dizia. “Tudo o que nos acontece está bem. Apenas confiemos” [10].

(site do Padre Paulo Ricardo)

__

Referências:

  1. Giovanna Brizi, A vida religiosa do Beato Carlos da Áustria, 2.ª ed., Rio de Janeiro: Lumen Christi, 2014, p. 10.
  2. Tratado do Amor de Deus, VIII, 3.
  3. Giovanna Brizi, op. cit., pp. 53-54.
  4. Cf. Exortação ao Martírio, 32 (PG 11, 603B).
  5. STh I-II, q. 72, a. 5.
  6. Pe. Reginald Garrigou-Lagrange, Las tres edades de la vida interior. 11.ª ed., Madri: Palabra, 2007, v. 1, p. 31.
  7. Giovanna Brizi, op. cit., p. 71.
  8. Adolphe Tanquerey, Compêndio de Teologia Ascética e Mística. Trad. de João Ferreira Fontes. 6.ª ed., Porto: Apostolado da Imprensa, 1961, p. 233.
  9. Caminho de Perfeição, XXXII, 10.
  10. Giovanna Brizi, op. cit., p. 11.
Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.