Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

As cesáreas fascinantes de Uganda que antecederam a medicina moderna

UGANDA MOTHER
Shutterstock
Compartilhar

Médicos africanos asseguravam a segurança de inúmeras mulheres e bebês bem antes de serem feitas com sucesso no Ocidente

As mães hoje estão dando à luz bebês saudáveis ​​graças a séculos de experiência e cuidados de saúde transmitidos de geração em geração. Ainda em meados do século XVIII, quando as mulheres ocidentais com risco de vida confiavam na cesárea para se salvarem ou salvarem seu bebê, se o parto vaginal fosse impossível, a grande maioria morria como resultado do procedimento. Ao mesmo tempo, no entanto, as parteiras dos países africanos de Uganda, Tanzânia e Congo estavam ajudando as mulheres a ter seus bebês por cesarianas – e sobreviver à operação.

É graças ao relato extremamente detalhado e fascinante de um nascimento, documentado por Robert Felkin, um médico missionário que foi para Uganda em 1878 com a Church Mission Society, que o mundo ocidental entendeu como africanos faziam os nascimentos de bebês saudáveis ​​com sucesso. E, de acordo com Vivian Kobusingye Birchall, uma produtora de TV que também ensina história e cultura africana, esse tipo de procedimento tinha séculos de existência e ainda é realizado hoje em regiões rurais da África subsaariana.

De acordo com Birchall, a cesariana testemunhada por Felkin era apenas uma prática cotidiana no reino de Banyoro, no oeste de Uganda. Realizada por um especialista masculino e seus assistentes masculinos, a futura mãe era amarrada a uma cama e recebia um vinho de banana para agir como um anestésico – que também era usado como antisséptico. A mulher foi então operada. Usando ferramentas rudimentares, como ferro em brasa para cuidadosamente cauterizar feridas, e pontas de metal para fechar a incisão, o médico garantia com segurança o sucesso da operação.

Através das anotações de Felkin, podemos ver o quão cuidadoso o praticante estava em seu tratamento do útero durante e após o parto, ajudando a evitar qualquer perda excessiva de sangue e futuras infecções. No entanto, talvez seja o tratamento da ferida, uma vez fechada, que pode parecer o mais incrível. Graças à combinação de duas raízes mastigadas, um toque de saliva e uma folha de bananeira, a ferida cicatrizava bem, e quando Felkin deixou a mulher, 11 dias após o parto, ela e seu filho estavam se recuperando bem.

A única questão que Felkin presenciou foi que o suprimento de leite da mãe era inicialmente limitado. Isso aparentemente era bastante comum, então as mulheres da aldeia ajudavam a alimentar o bebê até que o leite da mãe se tornasse mais abundante. Felkin transmitiu suas descobertas em uma palestra para a Sociedade Obstétrica de Edimburgo em 1884, e embora não saibamos até que ponto seu relato influenciou o futuro das cesarianas no mundo ocidental, suas descobertas devem ter sido um abridor de olhos para os médicos que só começaram a usar antissépticos em 1867.

Felizmente, a cesariana moderna não é tão angustiante como deve ter sido para as pobres mães que foram amarradas às suas camas e intoxicadas com vinho de banana. No entanto, o procedimento foi uma verdadeira história de sucesso ao salvar algumas vidas.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.