Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A comovente carta de despedida de uma médica que morreu de câncer aos 40 anos

LETTER
Shutterstock-Jessica Ruscello
Compartilhar

Em mensagem compartilhada com os familiares ela celebrou a vida e aconselhou: “Amor, perdão, paz e alegria renovam tudo”

A medicina sempre foi a grande paixão de Larissa Andressa de Medeiros. Quando criança, sua brincadeira preferida era fazer de conta que as irmãs e a meninada da vizinhança eram seus pacientes.
Natural de Lages, em Santa Catarina, já na primeira vez em que prestou vestibular para medicina passou em duas universidades federais. Amorosa, queria ficar perto da família, e escolheu a Universidade Federal de Santa Catarina. Sua obstinação com a profissão era tamanha que acabou por influenciar as duas irmãs mais novas, Patrícia e Bruna, que também se tornaram médicas.
Em 2013, a vida lhe trouxe um grande presente. Morando em Curitiba, onde atendia em dois hospitais e atuava na área do transplante de medula óssea, conheceu Américo, médico anestesiologista. A conexão entre os dois foi imediata e quatro anos depois eles se casaram em meio a muitos planos e felicidade.
E foi durante a lua de mel que ela percebeu que estava com um nódulo na mama, uma desagradável surpresa que levou embora toda a alegria do jovem casal, mas não acabou com a fé e obstinação de Larissa.
Larissa lutou contra o câncer durante, porém faleceu no dia 22 de dezembro de 2018. Ela não conseguiu realizar seu último desejo, que era escrever um livro, mas o conteúdo da carta deixada para a família, e que foi publicada na íntegra pelo Conselho Regional de Medicina do Paraná em uma rede social, viralizou na internet. Graças às suas lindas palavras, a memória de Larissa se tornou uma fonte de inspiração e otimismo para todos que as leem. Confira a íntegra do texto:

“Querida família!
Ando mais reflexiva e ausente… Têm sido dias difíceis. Pensei na morte, mas vi um documentário da minha incoerência, já que é a coisa mais certa… Pedi a Deus uma segunda chance ou força para entender se ele tiver outro propósito.
Vou fazer um pedido aqui: hoje minhas chances de cura são menores do que as de sucesso! Luto por 10% de cura!! Sem drama, é um fato!
Quero e vou vencer, com a ajuda de Deus e Nossa Senhora, sem as estatísticas dos homens!
Mas queria com muito carinho que se lembrem das coisas que estou aprendendo…
Hoje ter R$ 1, R$ 2, R$ 5 ou R$ 20 milhões num banco; ter um bilhete de viagem maravilhosa; um vestido lindo ou poder ir em restaurantes incríveis… Um bom vinho, um doce delicioso… NADA NADA disso eu poderia usufruir agora. Não mudaria minhas chances ou acessos a remédios, não teria pique e disposição para viajar (não posso me ausentar por mais de 15 dias pela quimio, que tem dado muitas reações extras), não posso beber, comer muitos doces… E não tenho ânimo físico para usar um lindo vestido com alegria…
A vaidade de crescer cientificamente, ganhar algo na profissão, prestígio??? Nada fica… Perdi tanto tempo com isso… Fui tão tola em vários aspectos… Só o carinho dos amigos, colegas e pacientes que o trabalho trouxe… Mas, claro que não serei hipócrita: trabalhar, responsabilidades, ter economias… São coisas importantes, mas NÃO são mais do que viver o hoje… Ter conforto, usufruir das boas coisas da vida valem a pena… Já viver sempre esperando um futuro que pode não chegar, isto é ir morrendo aos poucos.
Então, o que ficou e o que mais me alegra? As boas lembranças dos momentos e experiências que vivi… As risadas, os carinhos, a alegria das viagens que tanto gostava, da comida gostosa fosse caseira ou de um bom restaurante… Os sentimentos verdadeiros e o amor puro da família e tantos amigos queridos que redescobri…
Sei que nada será tão palpável como é para mim que precisei passar por isso porque ter tanta clareza de pensamentos… Ouvia isso dos pacientes, mas não coloquei em prática…
Gostaria que experimentassem sem ter que passar por algo ruim para mudar:
brigas, reclamações, vaidades, conflitos… Acontecem, mas deixam o ar muito pesado, sugam nossa energia e não levam a nada. Transformam a reunião alegre em algo desagradável… Amor, perdão, paz, alegria renovam tudo…
Nós sendo filhos, noras e genros, pais, irmãos, casais, todos iremos errar… Escolher o caminho tem esse desfecho: de acertar ou errar. E errar tem o aprendizado, só o erro traz essa graça de aprender e mudar! Não aprendemos com os erros alheios infelizmente… Os acertos infelizmente também não trazem esse conhecimento todo, por ironia… Ninguém sabe o que é certo… O certo para mim não é para os demais.
Vamos conviver em paz, respeitar a individualidade das pessoas, dos casais, mesmo não sendo nossa opinião. Vamos celebrar a vida, ter prazer nos encontros, evitar brigas ou assuntos pesados… Queria que todos que puderem começassem a passear, viajar, praticar a leveza no dia a dia… Quem quiser ir, voltar, sair, ficar, silenciar… Siga seu coração… Decida por si… Não esperem permissão para serem felizes. Só quem pode nos autorizar somos nós mesmos…
Américo, meu amor, tem me ensinado muito também… Foi um ano terrível para nós… Muitas concessões, ajustes… Mas nosso amor tem aprendido a ser laço de fita, não e nunca NÓ… Nos respeitamos, apoiamos, nos incentivamos mutuamente… Se você está estressado, volta da corrida, leve, com o sorriso mais lindo no rosto e só traz boas energias para mim. Não fala nada pesado, não fala de ninguém, sempre positivo, o melhor companheiro que eu poderia ter… Meu amor! Muitas vezes discordamos, queremos coisas diferentes, mas aprendemos a respeitar a decisão do outro sem perder tempo tentando convencer a nossa maneira… Acho que ganhamos mais amor e respeito!! Amor não é posse ou prisão, é liberdade e respeito…
Sei que ainda temos muito a aprender… Mas acho que estamos no caminho, entre acertos e erros…
Tenho vontade de gritar, para todos que quero bem: ‘Tomem as rédeas de suas vidas… Viajem, namorem, comprem com responsabilidade o que lhes dá prazer… A vida é HOJE!! Só hoje!!! Viagens, comer num lugar gostoso, comprem a roupa bonita que querem…’
Não sabemos se viveremos até o futuro… Se gozaremos da aposentadoria… Se teremos saúde e ânimo para aproveita-lá!! Vivam, vivam, cada um é dono da sua trajetória…
E a vida dará em troca, amor verdadeiro, grandes amigos que farão parte da família… e muito boas memórias…”

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.