Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como ser diagnosticada com uma doença crônica me ensinou o verdadeiro significado da força

Compartilhar

Quando "ser forte" tem mais a ver com o modo como lidamos com nossa fraqueza

Ontem, minha médica me disse que é muito provável que eu nunca me sinta 100% saudável novamente. Podemos reduzir os sintomas da artrite reumatoide ao mínimo, mas a dor e a fadiga típicas da doença nunca vão desaparecer completamente. A doença me acompanhará pelo resto da minha vida.

Eu disse: “Eu entendo. Sem problemas. Só queria checar.” Ela olhou para mim, não convencida. Uma reumatologista provavelmente vê atitude de “estou bem” com tanta frequência que ela sabia exatamente o que eu estava fazendo – tentando usar a positividade para me proteger de uma avalanche de medo e incerteza.

Eu só recebi este diagnóstico muito recentemente; tudo ainda é novo. “Isso significa que eu sou fraca agora?”, eu me perguntei. “Deixarei de pensar em mim como alguém que é forte e capaz?”. Eu tenho uma lista crescente de coisas que eu não posso fazer: trabalhar no jardim, correr, lavar uma frigideira pesada, esfregar o banheiro… eu estou me acostumando a pedir ajuda, mas não gosto disso.

Ninguém gosta de pensar em si mesmo como fraco. Ser diagnosticado com uma doença crônica vem com uma grande pilha de emoções que estou tentando lidar. Frustração, confusão, tristeza, raiva, medo – estes não parecem o tipo de emoções que as pessoas fortes sentem.

Eu sei exatamente o que uma mulher forte parece. Eu a vi tropeçar repetidas vezes. Ela é sua típica “forte protagonista feminina”. Ela é aquela morena durona, direta e imperturbável, que recebe más notícias sem vacilar e não aceita ajuda ou apoio de ninguém. Ela tem isso. Você sabe de quem eu estou falando, certo? Ela é onipresente. Ela é a imagem arquetípica da independência, autossuficiência e força. Três palavras que não me descrevem mais.

Ainda assim, tenho pensado muito sobre minha própria definição de “forte” e me perguntado se a imagem que nossa cultura nos dá de força é muito unidimensional. E se a força é algo que está disponível para qualquer pessoa, não importa o que seu corpo ou mente está passando?

Força não é o oposto do sofrimento. Não poderia ser; todos nós sofremos. Todo mundo já se sentiu com medo, fraco, quebrado. Isso é humanidade. E se for o que você faz com aquela dor que determina sua força?

Quem é mais forte: a pessoa que está sofrendo e diz “isso é terrível, e eu preciso de ajuda hoje”, ou aquele que diz “estou bem”? Um deles tem medo da realidade e o outro o aceita. Um é honesto e o outro tem muito medo de ser honesto. Estou começando a pensar que força significa apenas aceitar a confusa realidade de nossa humanidade e tudo o que ela implica. Isso significa sentir o que você sente, mesmo quando não quer.

Afinal, sabemos muitas maneiras de desligar esses sentimentos. Dispensar, negar ou ignorar uma emoção por tempo suficiente, e você dificilmente saberá que está lá. É preciso muita coragem para não esconder esses sentimentos dolorosos. Ninguém quer ficar com medo. Mas não podemos escolher não ficar com medo; só podemos escolher andar com esse medo, ou passar a vida fingindo que não é nosso companheiro constante.

No final, a pessoa realmente forte é capaz de aceitar a realidade em sua plenitude – o bem misturado com o ruim. Porque nem tudo é ruim, não completamente. Há algumas coisas bem difíceis, mas tudo está misturado com a beleza e o amor que saem de todos os cantos que estão saturados da presença de Deus. Força significa ter espaço para tudo isso – a dor e a alegria, o medo e a confiança.

Tags:
Saúde
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.