Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Os prós e contras de ter um bebê mais tarde na vida

PREGNANCY
By Natalia Deriabina | Shutterstock
Compartilhar

Meghan, Duquesa de Sussex, deu à luz aos 37 anos. Quais são os riscos e benefícios de dar à luz quando você já não é mais tão jovem

Meghan, duquesa de Sussex, tem 37 anos. Tecnicamente, isso significa que sua gravidez foi considerada “geriátrica”, o nome de qualquer gravidez quando a mãe tem 35 anos ou mais. “Gravidez geriátrica” não é a frase mais elegante – os médicos estão começando a chamar de “idade materna avançada”, mas de qualquer forma, não é tão alarmante quanto parece.

Mas quão incomum é ter um bebê com trinta e tantos anos ou mais? Quão arriscado é realmente? Apesar de ter um bebê mais tarde vir com um punhado de riscos ligeiramente maiores, em comparação com as gravidezes de mulheres mais jovens, tenha em mente que só porque o risco é elevado, não significa que é elevado ao nível de ser comum. E existem muitas razões pelas quais pode ser vantajoso ter filhos mais tarde.

Primeiro, os contras: as mulheres que engravidaram depois dos 35 anos têm um risco levemente elevado de diabetes gestacional e pressão alta, e podem ter maior probabilidade de precisar de uma cesárea. O bebê é um pouco mais propenso a ter baixo peso ao nascer, nascer prematuramente e ter anormalidades cromossômicas. Há também um risco aumentado de aborto espontâneo.

A maioria é de conhecimento comum, e um estudo que acompanhou mais de 180.000 mulheres canadenses descobriu que, desde que as mulheres fossem saudáveis, recebessem cuidados pré-natais regulares e tivessem seus bebês em um hospital, o resultado de suas gestações “não variou significativamente daquelas mulheres mais jovens”.

Há ainda uma chance maior de ter gêmeos, graças a mudanças hormonais na mãe. Já um outro estudo descobriu que “a idade materna mais avançada estava associada ao uso menos frequente de sanções verbais e físicas” em relação a crianças de 7 e 11 anos, e descobriu que essas mesmas crianças tinham menos “dificuldades comportamentais, sociais e emocionais” do que seus pares.

A Dra. Tea Trillingsgaard, principal autora do estudo, diz que “o bem-estar emocional tende a aumentar com a idade… Mães mais velhas parecem ter melhor desempenho, [têm] mais flexibilidade psicológica, mais flexibilidade cognitiva, mais capacidade de tolerar estímulos emocionais complexos das crianças”. Os resultados ainda se mantiveram após o controle de fatores como renda e educação da mãe.

Com a idade média de dar à luz aumentando constantemente em todo o mundo devido a muitos fatores, é bom saber que suas perspectivas de ter uma gravidez e um bebê saudável podem não ser tão sombrias quanto você pensou. E, no final, quaisquer que sejam os riscos e benefícios de ter um bebê em uma idade “tardia”, uma criança é sempre um grande presente de Deus, não importa quando ele ou ela chega.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.