Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O dia em que a morte foi parar na cadeia

death in prison
Ma. Paola Daud
Compartilhar

A ordem de prisão foi dada por um Papa

Clique aqui para abrir a galeria de fotos

A basílica de Santa Maria del Popolo, em Roma, é visitada por milhões de turistas todos os anos. Um dos motivos que atraem os visitantes é o fato de ela possuir importantíssimas obras de artes (que podem ser vistas gratuitamente). Entre elas, estão dois trabalhos de Caravaggio: “A conversão de São Paulo” e a “Crucificação de São Pedro”.

A basílica também guarda uma curiosidade que nasceu das lendas do povo romano. Trata-se da “Morte na prisão”. 

A história é a seguinte: na Roma dos anos 1300 a 1600 existia uma irmandade chamada “Arciconfraternita della Buona Morte” (Congregação da Boa Morte), cujo trabalho era fazer caridade, dando enterro digno aos mortos encontrados nas estradas. Uma vez encontrados, os mortos eram enterrados na igreja mais próxima. 

Certa noite, alguns homens da irmandade encontraram um cadáver perto da Via Flaminia. Eles o recolheram e o levaram para a igreja de Santa Maria del Popolo. Chegando lá, bateram na porta para que os frades a abrissem. Mas eles não ouviram. Então, os homens se viram obrigados a arrombar a porta para entrar. Uma vez lá dentro, levantaram o mármore do piso e enterraram o corpo. 

No dia seguinte, os frades, indignados pelo arrombamento, foram protestar junto ao Papa. O Pontífice, surpreso pelo ocorrido, perguntou: “E quem cometeu este ultraje?”. Os homens responderam: “Foi a morte”.  O Papa, então, determinou: “Se foi a morte, prendam-na”. 

Foi assim que surgiu o baixo-relevo que mostra a morte atrás das grades. 

Da imaginação popular, nasceu “A morte na prisão”, que, na realidade, é o monumento funerário construído pelo arquiteto romano Giambattista Ghisleni. O monumento macabro de um esqueleto sorridente atrás das grades fica ao lado esquerdo da porta principal da igreja. 

Embora a história sobre essa tumba tenha nascido da imaginação do povo romano, é sempre muito interessante relembrá-la para conhecermos um pouco da cultura e das tradições dos povos antigos. 

Clique em “Abrir a galeria de fotos” abaixo  e confira mais imagens da “morte encarcerada” e também da Basílica de Santa Maria del Popolo.

 

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.