Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como lidar com o medo de perder outro bebê após o aborto espontâneo

Pregnant woman standing in forrest an drelaxing
Pixabay
Compartilhar

Lembre-se destas 10 coisas quando passar por essa situação

Quando você está grávida de um bebê concebido depois de um aborto espontâneo, você passa por muito mais do que a ansiedade normal que acompanha a gravidez. Você ainda tem lembranças tristes, talvez traumáticas, de sua perda e, de muitas maneiras, seu luto ainda não terminou. Como você lida com todo esse medo e preocupação durante aqueles nove meses que, as pessoas continuam lhe dizendo, deveriam ser um momento de antecipação alegre?

É difícil, mas você não está sozinha. Falei com mães que passaram por essa experiência e, na sabedoria que compartilhavam, muitos temas comuns continuavam reaparecendo. Elas sobreviveram a essa experiência e você também sobreviverá. Tenha em mente estas 10 coisas:

  1. Ansiedade é normal. Você provavelmente nunca vai se sentir totalmente em paz durante a gravidez, mas tudo bem. Isso não significa que você esteja fazendo algo errado. Se isso ajudar, pense na ansiedade como uma manifestação do seu amor pelo seu bebê.
  2. Concentre-se no momento presente. O que você tem agora, essa criança viva dentro de você, é um dom. Nada pode mudar isso. Você pode achar que seu senso de gratidão é tão forte quanto seu medo, então coloque sua energia em ser grata por essa realidade, ao invés de despejá-la em um futuro que sempre será incerto.
  3. Encontre pessoas com quem você pode conversar. Talvez sejam outras mães (existem alguns grupos maravilhosos no Facebook) ou talvez seja seu cônjuge ou um terapeuta. Não carregue esse medo sozinha. Não há problema em não estar “bem”. Essa experiência é incrivelmente difícil.
  4. Sinta o que você sente. Com nossas emoções mais intensas, gostaríamos que pudéssemos desligá-las ou mudá-las. Em vez de dizer a si mesmo que você “não deveria” ter medo, ou que, se você confiasse apenas mais em Deus, você se sentiria em paz, tente aceitar o que você sente sem julgar-se duramente por sentir isso.
  5. Peça às pessoas que rezem. Algumas pessoas contam à sua família ou a um punhado de pessoas em quem confiam, para que o bebê tenha pessoas orando por ele antes de anunciar a gravidez. Pode ser reconfortante saber que você não está sozinha em orar pela criança. Peça ao seu padre uma bênção especial, ou abençoe-se com água benta, se achar que isso lhe traz paz.
  6. Não tente não ficar eufórica. Não é realmente possível proteger-se da dor e da decepção; se algo acontecer, não há realmente nenhuma maneira de se preparar emocionalmente para a tragédia. Privar-se da sua alegria em esperar seu bebê, por um desejo de se proteger de possíveis desgostos, realmente não ajudará.
  7. Peça ao filho que você perdeu no aborto espontâneo para orar por você e orar pelo novo bebê. Aquela criança, perdida por causa do aborto espontâneo, não se foi. Ele ou ela está em casa. Todo mundo tem um emprego no Céu, e o bebê que foi perdido ainda faz parte da sua família.
  8. Ofereça todo o seu medo a Jesus. Podemos oferecer mais do que o nosso sofrimento físico, e a angústia mental que surge ao saber que outro aborto espontâneo é possível é uma fonte profunda de dor. É reconfortante, de certo modo, dar a essa dor uma espécie de propósito, poder dizer “Jesus, use isso para alguma coisa”, para que você saiba que não é sofrimento sem sentido.
  9. O mantra “esta é uma gravidez diferente e um bebê diferente” pode ajudá-la a lembrar-se de não perder a esperança e de que o que aconteceu da última vez não necessariamente se repetirá.
  10. No final, preocupar-se com seus filhos é apenas parte da maternidade. Não para quando o bebê nasce. A preocupação que sentimos agora é uma versão do medo que carregaremos ao longo da vida da criança – não é fácil, mas é o trabalho da maternidade, e vale a pena.

Uma mãe com quem conversei chegou ao coração da luta, e suas palavras nos lembram o que todos sabemos, no fundo:

“Mesmo que eu não tenha conseguido carregar esses bebês para o nascimento e a vida aqui na terra, não foi que eles tenham desaparecido ou evaporado… eles ainda existem, mas no lugar mais perfeito. Eu acho que toda mãe tem que, em algum momento, dar seus filhos para o cuidado de Deus e entregar o controle, ou então enlouquece. O aborto espontâneo só faz com que a rendição aconteça muito mais cedo”.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.