Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A sexualidade tem que trazer felicidade

COUPLE BED
Compartilhar

O Pe. Reginaldo Manzotti reflete sobre o assunto e lembra: a santidade também passa pela sexualidade

A “vida sexual no matrimônio” é um dos temas mais difíceis de abordarmos, muitas vezes por ser um assunto “espinhoso” demais. Em alguns casos, por exemplo, são feridas doloridas que precisam ser tratadas e curadas. E faz parte de todo o ser humano saber lidar e conviver com a sua própria sexualidade. Ou seja, ela não pode ser negada.

Existe ainda um preconceito de que a Igreja, os padres e a doutrina de modo geral negam a sexualidade e isso não é uma verdade. Não é um negar, mas colocar limites e tentar fazer com que a pessoa entenda a sexualidade muito mais do que a genitalidade.

Além do mais, a Igreja durante o ano propõe duas festas a São José, “esposo da Virgem Maria”. Isso mostra que a vida conjugal, assim como a sexualidade, também é um assunto de Deus. Por isso temos que perceber que o assunto sexualidade no matrimônio é bastante urgente e necessário. Afinal, Deus passa pela nossa sexualidade.

Em se tratando deste assunto existem dois extremos. De um lado “abriram-se as portas”, ou seja, as pessoas estão acessando sites e levando filmes pornográficos para dentro do relacionamento para tentar “esquentar” uma relação. Do outro, existe o pensamento tradicional.

Infelizmente, nos últimos anos, esse assunto tem sido tratado de forma banal, principalmente pela facilidade de acesso à informação que temos nos dias de hoje. Não que isso seja um problema, mas as pessoas precisam entender que uma vida sexual sadia e satisfatória é um dos pontos principais de um casamento e quem recorre a filmes pornográficos ou está fugindo da sua verdadeira vida sexual ou está precisando de uma muleta para se apoiar.

O que as pessoas precisam entender é que o diálogo ainda é uma das melhores soluções para chegar a um entendimento. Se não resolver, o próximo passo é buscar ajuda nos consultórios, nas pastorais, nos centros de Planejamento Natural da Família, o Cenplafam. Afinal, reeducação sexual não tem idade.

Não podemos tratar do assunto de forma apelativa, assim como outros ligados a este tema como a masturbação, as fantasias e os distúrbios psicossexuais, entre eles, o fetichismo, voyeurismo, masoquismo e sadismo. Não podemos fechar os olhos e dizer que não existem! Os sex shops, por exemplo, estão tomando conta das nossas cidades. E precisamos abordar estes temas para que as pessoas não achem que estamos discursando para que o povo não viva.

Como este não é assunto que não se esgota, vamos tratar sobre ele em outros artigos, pois este é um tema que deve ser rezado e superado. A sexualidade tem que trazer felicidade. Não é castrar, mas é saber lidar com ela. Afinal, a santidade também passa pela sexualidade!

Do livro 10 respostas que vão mudar sua vida: “A vida sexual no casamento é, sem dúvida, abençoada por Deus. Exatamente por isso ela tem que ser saudável, respeitosa e dignificante”.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.