Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Acha difícil levar os filhos arteiros à Missa? Veja o conselho de uma mãe

TATJANA SPLICHAL | DRUŽINA
Compartilhar

Sim, criança dá trabalho na Missa (é normal). Mas esse conselho vai te dar uma injeção de ânimo

Quem tem filhos pequenos e arteiros (graças a Deus!) sabe: ir à Missa com eles é um grande desafio. 

A maratona começa em casa. Bem antes do horário da celebração é preciso preparar o banho, a roupa dos pequenos, assim como a malinha de passeio, que deve conter de comidinhas e bebidas ao brinquedo que eles mais gostam. 

No carro também é aquela luta. Para colocar a criança na cadeirinha é um sufoco. E, quando há mais de um filho, essa é a hora da briga. 

Mas a “hora do terror” mesmo é a chegada na igreja. Incrível como o ambiente da Casa do Pai mexe com a imaginação das crianças. A maioria delas não para quieta. É um corre pra cá, corre pra lá… Sem contar os gritos…

E quando elas veem o padre, então? Há aquelas que só faltam entrar debaixo da batina dele. 

É tanta trabalheira que, muitas vezes, os pais desanimam. Alguns até desistem de ir à Missa todos os domingos. Eles têm medo dos olhares tortos de reprovação dos colegas de paróquia. Muitos até acham que não conseguem rezar como deveriam, pois todas as atenções estão voltadas aos pequenos. 

Se você pensa assim saiba que você está errado(a). Nunca devemos deixar de ir à Missa por causa das bagunças dos nossos filhos. Devemos acostumá-los a cumprir esse preceito católico, pois isso faz parte da formação religiosa das crianças. 

Aqui na Aleteia, você pode encontrar vários artigos com dicas de como ir à Missa com as crianças (clique aqui para ler). Há um, inclusive, que explica o motivo pelo qual você nunca deve deixar de levar seus filhos bagunceiros à igreja (leia aqui).

Porém, nos últimos dias, um texto que circula nas redes sociais e no WhatsApp tem chamado a atenção dos pais de crianças pequenas. O poema é uma verdadeira injeção de ânimo para quem está querendo deixar de levar os pequenos para vivenciar a Eucaristia – este momento único para nós, católicos. Por isso, tomamos a liberdade de reproduzi-lo aqui. A autoria do texto é atribuída a Fernanda Dias. 

“Coloca a criança no colo e vai. 

Coloca o salto ou a sapatilha e vai.

Arruma o cabelo ou faz um coque e vai.

Com pó na cara ou com o rosto lavado, vai. 

A criança não para sentada, vai. 

A criança chora muito, mas vai. 

Você talvez não consiga prestar atenção como queria na missa, mas vai. 

As pessoas se incomodam, mas vai. 

Nunca deixe a bênção que você tanto pediu atrapalhar sua gratidão.

Ensine seu filho que ir à casa de Deus é uma forma de agradecer.

Esta fase vai passar, mas vai, mesmo que alguns dias sejam piores do que os outros e que algumas vezes você queira ir embora no meio da pregação, mas persiste em ir até o fim, respira e continua. 

Vai, mostra para os teus filhos quem é o Deus que você serve, vai, arrume sempre um jeito, mas nunca uma desculpa.

Vai mãe, planta ali a sementinha do evangelho, vai, não desiste.”

 

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.