Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Por que ainda precisamos do “dom de línguas” para anunciar o Evangelho?

gift of tongues
Compartilhar

A linguagem continua sendo uma parte vital da proclamação do Evangelho

Nos Atos dos Apóstolos, São Lucas narra como, no dia de Pentecostes, o Espírito Santo preencheu os apóstolos e deu-lhes a capacidade de falar em várias línguas (referidas como “línguas”). Ele escreve: “ouvindo aquele ruído, reuniu-se muita gente e maravilhava-se de que cada um os ouvia falar na sua própria língua. Profundamente impressionados, manifestavam a sua admiração: Não são, porventura, galileus todos estes que falam?”(At 2, 6-7).

Isto é muitas vezes referido como o dom de “falar em línguas” ou o “dom de línguas”. Embora possa não parecer um dom necessário no mundo de hoje, São Josemaría Escrivá acredita que ainda pode servir a um propósito de uma maneira diferente.

Ele comenta isso em sua homilia sobre o Espírito Santo intitulada “O Grande Desconhecido”: “cada geração de cristãos precisa redimir, santificar seu próprio tempo. Para fazer isso, devemos entender e compartilhar os anseios de outras pessoas – como iguais – a fim de dar-lhes a conhecer, com o dom de línguas, como eles devem corresponder à ação do Espírito Santo”.

Escrivá continua: “nós, cristãos, somos chamados a anunciar, em nosso próprio tempo, a este mundo a que pertencemos e no qual vivemos, a mensagem – antiga e ao mesmo tempo nova – do Evangelho”.

Ele nos exorta a anunciar a antiga mensagem do Evangelho de uma maneira que o mundo moderno entenda. Embora as verdades centrais do Evangelho permaneçam inalteradas, é a linguagem usada que muda para se adequar ao tempo em que vivemos.

São Paulo VI foi pioneiro nesse sentido, escrevendo em sua exortação apostólica Evangelii Nuntiandi que evangelizar o mundo moderno implica dar esse alimento e sustento necessário à fé dos crentes, especialmente através de uma catequese cheia de vitalidade evangélica e linguagem adequada para as pessoas e suas circunstâncias.

Paulo VI continua: “a evangelização perderia algo da sua força e da sua eficácia se ela porventura não tomasse em consideração o povo concreto a que ela se dirige, não utilizasse a sua língua, os seus sinais e símbolos; depois, não responderia também aos problemas que esse povo apresenta, nem atingiria a sua vida real”.

Esse trabalho está em andamento, e é difícil de realizar sem a graça do Espírito Santo. Vamos rezar ao Espírito Santo pelo “dom de línguas”, para que favoreça em nós a capacidade de pregar o Evangelho ao mundo moderno em uma linguagem que as pessoas entendam, levando a uma conversão completa da vida.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.