Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como é o seu relacionamento com o Espírito Santo?

DARY DUCHA ŚWIĘTEGO
Pexels | CC0
Compartilhar

O Espírito Santo é uma força estranha e impenetrável para você? Ou um amigo para amar?

A festa de Pentecostes é uma oportunidade única de refletir sobre nosso relacionamento com o Espírito Santo. Das três pessoas da Santíssima Trindade, o Espírito Santo é, talvez, o menos compreendido. 

São Josemaria Escrivá, em uma homilia intitulada “O Grande Desconhecido”, pondera sobre esse mistério e desafia os cristãos a examinar sua relação com o Espírito Santo: 

E assim podemos aplicar a nós mesmos a pergunta feita pelo apóstolo: “Você não sabe que é o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em você?” E podemos entendê-lo como um convite para lidar com Deus de uma maneira mais pessoal e direta.

Escriva continua, 

Para alguns, infelizmente, o Paráclito é o Grande Estranho, o Grande Desconhecido. Ele é meramente um nome que é mencionado, mas não Alguém, nem uma das três Pessoas (no único Deus) com quem podemos conversar e com cuja vida podemos viver .

Obviamente, a Trindade é um dos maiores mistérios do cristianismo. Como o Catecismo da Igreja Católica explica: “Nós não professamos três deuses, mas um Deus em três pessoas, a ‘Trindade consubstancial’” (CCC 253).

Além disso, 

As pessoas divinas [da Santíssima Trindade] são distintas umas das outras. “Deus é um, mas não só.” “Pai”, “Filho” e “Espírito Santo” não são simplesmente nomes que designam modalidades do ser divino, pois são realmente distintos um do outro.

Este mistério nos permite desenvolver nosso próprio relacionamento com a pessoa do Espírito Santo e invocar sua ajuda particular em nossa vida cotidiana. Ele não é um “estranho” ou algum tipo de força impenetrável, mas uma pessoa que podemos amar.

Não é um conceito fácil, mas é uma verdade de nossa fé, algo que devemos ponderar ao celebrarmos a festa de Pentecostes.

Pergunte a si mesmo: “Como eu vejo o Espírito Santo? Que papel ele tem na minha vida? Eu amo o Espírito Santo?

Boletim
Receba Aleteia todo dia