Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

De um seminário africano às finais da NBA

SIAKAM
Compartilhar

Pascal Siakam, do Toronto Raptors, foi um seminarista relutante, mas agora aponta essa experiência como chave do seu sucesso

Uma das estrelas do Toronto Raptors, Pascal Siakam tem tido um enorme impacto nesta temporada em que os Raptors disputam as finais da NBA contra o Golden State Warriors.

O jogador de 25 anos teve uma trajetória incomum para a NBA, que é a liga mais seletiva entre todos os esportes: o caminho de Pascal começou no seminário.

Pascal começou a frequentar a Escola de Seminários de St. Andrew em Bafia com apenas 11 anos de idade. Ele era um estudante de bom desempenho, embora relutante, pois não estava muito interessado em aprofundar no discernimento da vocação religiosa. Mas ele honrou a orientação de seu pai, que insistia que ele estudasse.

A ESPN falou com o diretor do seminário, padre Armel Collins Ndjama, sobre o tempo de Pascal como estudante.

“Ele passou de uma criança muito calma para um adolescente muito teimoso. Às vezes, pensava até em expulsá-lo, mas seus resultados acadêmicos eram tão notáveis ​​que o mantivemos”, disse o padre.

Embora Siakam não tenha ficado muito entusiasmado com a vida de seminarista na época, agora ele reconhece que o seminário teve um impacto profundo no homem que ele se tornou. Ele disse que a disciplina incutida nele o ajudou a ter sucesso nos níveis universitário e profissional do basquete.

A disciplina vem da estrutura rígida do seminário, onde os dias começam com a missa, depois vêm as tarefas, aulas e, ao final, mais uma missa.

Os estudantes do seminário St. Andrew tinham uma hora de recreação por dia, e a maioria dos alunos preferia futebol a qualquer outra coisa. O campus tinha uma quadra de basquete, que precisava urgentemente de conserto.

Pascal estava entre os que iam jogar futebol, mas sua altura natural e capacidade atlética deram-se tão bem no basquete que ele começou a frequentar acampamentos direcionado para esse esporte, primeiro localmente, depois na África do Sul.

Em uma reviravolta que parece um desígnio divino, o menino que estava relutante em participar do seminário e dos acampamentos foi descoberto por olheiros enquanto jogava na África do Sul e foi recrutado para jogar nos EUA.

Infelizmente, o pai de Siakam nunca chegou a vê-lo pisar no palco principal, já que ele morreu em 2014, quando o astro do basquete estava começando sua carreira na New Mexico State University. Pascal diz que as orientações do pai permanecem em seu coração e que o seminário foi “a melhor coisa que já aconteceu a ele”.

Siakam ainda honra seu pai e Deus cada vez que ele entra em quadra, fazendo o sinal da cruz e apontando para o céu. O sinal da cruz simboliza sua fé, e o dedo apontado para o céu representa uma dedicatória ao pai, a quem ele chama de “a melhor pessoa que ele já conheceu”.

O jogador reconhece a importância do seminário em sua formação enquanto pessoa. Filho caçula, era bajulado em casa. Pascal diz que, antes do seminário, não sabia fazer nem a própria cama, lavar louça nem lavar a própria roupa.

O Seminário “ajudou-me a concentrar em mim mesmo e a tentar melhorar e a trabalhar arduamente pelo que eu queria”, comentou o atleta num podcast de Woj Pod. “Poderia ter sido fácil para mim ser o tipo de criança que não se esforçava, porque quando criança, eu tinha tudo de que precisava.”

Embora o seminário não ensinasse especificamente o basquete, ensinou-lhe valiosas lições de vida, como uma forte ética de trabalho, autodisciplina, confiança e trabalho em equipe.

“Eu acho que sei por que meu pai me fez ir”, escreveu ele em 2016 no The Players Tribune. “Ele estava me dando todas as ferramentas que eu precisava para ter sucesso. Tão importante quanto seu sonho de o filho jogar na NBA era o desejo de que eu me tornasse um homem de bem”.

Os Raptors estão pela primeira vez nas finais da NBA. Eles estão à frente do Golden State Warriors por 2-1 (na data de 7 de junho de 2019, antes do jogo 4). Se vencer o jogo 4, precisará apenas de mais uma vitória para ser coroado campeão da NBA.

Muitos aficcionados por basquete afirmam que talvez a única maneira de vencer as estrelas do Warriors seja através da intervenção divina.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.