Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O poder do contato visual (inclusive com estranhos)

FRIENDS
Rawpixel.com | Shutterstock
Compartilhar

O “olho no olho” é uma forma simples de mudar o mundo

Alguém já te disse: “Ei, olhe para mim enquanto eu estiver falando com você?”

É chato quando alguém faz isso né?

Mas a questão é: o contato visual é poderoso. Existem muitos estudos que mostram como isso pode fazer você se apaixonar por alguém ou conseguir um emprego. 

Estabelecer o contato visual com outra pessoa também é simplesmente humanizar, especialmente se você mora em uma cidade grande ou em um lugar onde sorrir e olhar um para o outro não é a norma. Na verdade, o
“olho no olho” não só nos torna mais empáticos, mas também muda a cultura.

Basicamente, o contato visual é uma maneira de empoderar os outros. É fácil de entender se você já experimentou isso antes:  alguém olha para você e, novamente, olha para trás quando você já passou. Nessas situações, você se sente reconhecido. Você se sente visto. E você tem o poder de dar às outras pessoas uma experiência rápida e simples.

Portanto, se você não faz contato visual com as pessoas com muita frequência, o primeiro passo é começar com quem você interage todos os dias: o caixa do supermercado, seus colegas de trabalho, o garçom, seus parentes e amigos. 

Depois, dê um passo adiante, uma vez que você já fez do contato visual um hábito. Olhe para pessoas com quem você normalmente não interage. Por exemplo: há algumas pessoas para as quais ninguém nunca olha, como os sem-teto.

Como já dissemos, imagine se todo mundo que encontra você durante o dia se recusasse a te olhar. Você começaria a se sentir menos humano. O simples reconhecimento via contato visual pode mudar isso. Se você está reconhecendo um colega de trabalho, um amigo ou um estranho, olhar nos olhos dele ajuda muito a fazê-lo se sentir mais aceito e mais bem visto no mundo. E em um momento em que as pessoas mal conseguem olhar para cima de seus telefones, o contato visual impacta positivamente.

A única ressalva a este estilo de contato visual é a sua intenção. Se você está olhando para as pessoas apenas para olhá-las, isso é um bom começo. Mas uma maneira de aprofundar a experiência e torná-la realmente útil para você e para a outra pessoa é encará-la com afirmação. Se você fizer contato visual com alguém, ficar enojado e desviar o olhar rapidamente, essas emoções ficarão bem claras em seu rosto. Quando olhamos para as pessoas com a intenção de mostrar a elas que você está feliz, isso também se reflete na nossa cara. Na prática, isso pode significar sorrir e acenar, além, é claro, do contato visual. Pode parecer estranho no começo, mas é completamente normal.

Quanto mais você se esforça para olhar para as pessoas, mais você pode ver a humanidade delas. E quanto mais você notar e observar a humanidade, mais empático você se tornará. Por sua vez, quanto mais as pessoas se sentem reconhecidas e vistas, maior a autoestima delas. E assim sucessivamente.

Às vezes, as menores coisas fazem a maior diferença!

Leia também: Quer um mundo com mais empatia? Veja por onde começar

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.