Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Arte de ouvir: você sabe ouvir seu filho?

EDUCATION
Shutterstock
Compartilhar

Estimular nas crianças a arte de ouvir favorece o desenvolvimento de habilidades socioemocionais

Ouvir uma música, o canto dos pássaros, o despertador do relógio, a risada boa de uma criança.

Em todas essas ações precisamos utilizar a audição, mas não necessariamente prestamos atenção e ouvimos de verdade.

Olhando para o seu interior, você sabe o que é, de fato, ouvir?

No livro “Um Jeito de Ser” (1983), o psicólogo norte-americano Carl Roger fala sobre a questão:

O primeiro sentimento básico que gostaria de partilhar com vocês é a minha alegria quando consigo realmente ouvir alguém. Acho que esta característica talvez seja algo que me é inerente e já existia desde os tempos da escola primária. Por exemplo, lembro-me quando uma criança fazia uma pergunta e a professora dava uma ótima resposta, porém a uma pergunta inteiramente diferente. Nessas circunstâncias, eu era dominado por um sentimento intenso de dor e angústia. Como reação, eu tinha vontade de dizer: “Mas você não a ouviu!”. Sentia uma espécie de desespero infantil diante da falta de comunicação que era (e é) tão comum.

Se Rogers fala em “ouvir realmente” é porque ele quer separar esta atitude de outra que não é “realmente” um ouvir.

A professora ouviu o aluno e respondeu, mas não o ouviu de verdade, não houve comunicação. Por isso o garoto Carl pensava: “Mas você não a ouviu!”.

A arte de ouvir vem antes do falar e para ouvir é preciso calar. É o ouvir que nos abre para o mundo e para os outros, como Rogers aponta: “Quando realmente ouço, ouço o que alguém me diz (e não apenas o que fala), e isso me coloca em contato com ele, enriquece a relação e seus frutos”.

Ouvir alguém refere-se a uma escuta profunda, significa ouvir além das palavras, tentar ler os pensamentos, a tonalidade dos sentimentos, o significado pessoal.

Em algumas ocasiões, é preciso ouvir por trás de uma mensagem que, superficialmente, parece pouco importante.

E, quando se trata de crianças, as palavras cedem lugar a uma série de intenções e necessidades que, muitas vezes, não são pronunciadas.

Ouvir é fundamental para todas as outras formas de comunicação. Deve-se ouvir para aprender a falar, ler e escrever.

Ouvir não é um ato passivo. A capacidade de ouvir é essencial para uma comunicação eficiente e significante.

A capacidade de ouvir permite colocar-se na situação da outra pessoa e responder adequadamente. Uma resposta apropriada reafirma os sentimentos do falante e segue o caminho que demonstra a aceitação e compreensão – que reflete o que o locutor disse.

Será isso que queremos ensinar aos nossos filhos quando os ensinamos a arte de ouvir?

Estimular nas crianças a arte de ouvir significa favorecer o desenvolvimento de habilidades socioemocionais muito importantes em suas vidas, tais como autocontrole, empatia e socialização.

Uma criança que sabe ouvir está mais preparada para aprender, prestar atenção e participar das atividades em sala, a se relacionar com outras pessoas e tende a ser uma criança mais calma, colaborativa e focada.

Pois bem, sabemos que as crianças aprendem pelos exemplos que têm e pela repetição, assim, olhando para elas, precisamos nos perguntar: somos capazes de ouvi-las e de captar seu mundo interno, aquilo que elas querem nos comunicar e que ainda não o fazem por meio de palavras?

O simples ouvir tem efeitos transformadores e surpreendentes.

Se ouvirmos as crianças com a devida atenção, certamente estamos tornando-as aptas a desenvolver também esse comportamento.

(Ludie)

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.