Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Estudantes surpreendem professora com câncer

PENCILS
Dolors Massot-ALETEIA
Compartilhar

Uma professora explica como a relação com um grupo de adolescentes a levou a lutar contra a dor e a doença

“Desde pequena sonhava ser professora de língua castelhana”.

Irene (nome fictício) é professora – dessas de quem nenhum aluno se esquece, mesmo que passem muitos anos. Ela fez faculdade e começou a trabalhar em escolas. Paralelamente, casou-se e teve uma filha. 

“O trabalho atual é em um instituto, com adolescentes. É emocionante, atraente, intenso e gratificante”, diz ela. E onde os outros veem uma problema ou uma dificuldade, ela enxerga pessoas para amar e educar, a fim de que elas tenham o melhor futuro possível. Irene ama seus alunos e isso faz com que ela, além de transmitir conhecimentos, tente fazê-los atingir o crescimento intelectual e espiritual. 

Um câncer sem cura 

Irene foi diagnosticada com um tumor metástico em 2009. Ela tinha 33 anos e sua filha, 3. A operação e o tratamento deixaram o câncer “adormecido”. Mas em 2016, o tumor reapareceu – desta vez com metástases em todos os ossos. Voltaram os tratamentos, as dores, a queda de cabelos. Em 2017, uma nova recaída, com metástases também no fígado. 

Mas Irene sabia que tinha que lutar pelo marido, pela filha e por seus alunos. E já se vão três anos entre as sessões de quimioterapias, as aulas e até viagens a estudo. Ela, inclusive acompanhou os alunos em uma excursão a Paris. 

Em seu testemunho para a Aleteia, ela disse: “faço sessões semanais de quimioterapia para tentar freiar o avanço da doença e para que ela não se apodere do meu corpo – ao menos não tão rapidamente”. 

De onde tira forças? 

“Junto com cada sessão de quimio, meu tratamento vai acompanhado por minha FÉ [ela escreve esta palavra com letras maiúsculas] e a de todos que me rodeiam. Entramos na capela do hospital toda vez que vou para lá. Pedimos, agradecemos ou simplesmente sossegamos nosso espírito e buscamos a paz necessária para enfrentar o dia”. 

“A fé e a quimio me dão vida”

Irene explica: “essa fé e essa quimio me dão vida. E essa vida é a que eu tento transmitir aos alunos, meninos de 13 a 16 anos que nem sempre têm claros os verdadeiros valores. Tento mostrar-lhes a grandeza da vida, a importância da saúde, a efemeridade da beleza na Terra e como devemos dar amor, carinho e apoio aos que nos cercam”. 

“Dei aulas careca”

“Dei aulas careca, com lenço, sem cílios nem sobrancelhas, inchada por causa do tratamento, com quilos a mais devido à cortisona. Mas dei aulas cheia de FÉ, cheia de AMOR e de ALEGRIA”. 

Na semana passada, os alunos comemoram o fim do curso. Estavam presentes seus pais, familiares e amigos. Deixaram de lado os uniformes e estavam quase irreconhecíveis com seus melhores trajes.

No discurso, duas alunas representaram a turma e disseram:

“Queremos agradecer por tudo o que você fez por nós durante este ano, tanto por nos ter ensinado a analisar textos, sintaxe, quanto por nos motivar a sermos boas pessoas”. 

“Você é uma mulher única”

“Você é uma mulher única e um exemplo a ser seguido. Lutadora e vencedora. Uma mulher que nos mostrou o quão fortes e corajosos podemos ser. Embora possamos cair, levantaremos mil vezes. De tudo, tira-se algo bom. De você, ficamos com seu sorriso e sua maneira de ser, com a felicidade que nos transmitia toda vez que entrava na classe”. 

 Irene quis dar um presente especial no último dia de curso. Pegou alguns lápis e adicionou uma mensagem especial para cada aluno. Foram frases como as que as mães dizem quando um filho sai de viagem: “nunca desista”, “você é único”, “chegará muito longe”, “você é incrível”… 

Um pequeno detalhe que, sem dúvida, todos guardarão na memória e no coração.

 

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.