Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 02 Dezembro |
São Cromácio de Aquileia
home iconAtualidade
line break icon

Alta comissária da ONU visita uma Venezuela devastada pela crise

BORDER

Carlos Rodríguez-Andes-(CC BY-SA 2.0)

Agências de Notícias - publicado em 20/06/19

No governo de Maduro - iniciado em 2013 - a outrora potência petroleira caiu na pior recessão de sua história moderna

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, visitou a Venezuela nesta quarta-feira, para observar a grave crise no país, que se aprofunda com a luta pelo poder e as sanções dos Estados Unidos.

Após meses de uma missão do Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos ter preparado a visita, Bachelet chegará ao país a convite do presidente Nicolás Maduro.

No governo de Maduro – iniciado em 2013 – a outrora potência petroleira caiu na pior recessão de sua história moderna.

A diplomata, que se reunirá ainda nesta quarta-feira com Maduro, permanecerá até sexta-feira no país, quando fará uma declaração final.

De acordo com a ONU, desde 2015 quase quatro milhões de venezuelanos emigraram pela crise, marcada pela escassez de produtos básicos, uma hiperinflação que o FMI projeta para 10.000.000% para 2019, o colapso do sistema de saúde e falhas nos serviços públicos.

A visita não escapa da disputa entre Maduro e Juan Guaidó, presidente do Parlamento que se autoproclamou chefe de Estado encarregado há cinco meses e recebeu o apoio de 50 países, liderados pelos Estados Unidos.

Maduro afirma que Bachelet chega com sua permissão, enquanto Guaidó alega que “é uma conquista do protesto” para exigir a saída do líder socialista, a quem ele chama de “ilegítimo”.

“O regime vai tentar esconder os problemas”, adverte o opositor, mas Bachelet anunciou que encontrará todos os personagens da crise, incluindo “vítimas de abusos e de violações dos direitos humanos, para não ser parte de nenhum tipo de estratégia”.

A visita pode dar mais visibilidade à crise e motivar a União Europeia a “aumentar a pressão”, afirmou à AFP o analista Mariano de Alba.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
PERU
Pablo Cesio
Peru: o menino de 6 anos que reza a Deus de j...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
SANTUÁRIO DE APARECIDA INTERIOR BASÍLICA
Reportagem local
Suposto surto de covid-19 entre padres do San...
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento...
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da mis...
Papa Francisco
Reportagem local
A oração diária de Advento que o Papa Francis...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia