Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A história da mulher que recusou 10 abortos

touch.jpg
Compartilhar

O bebê que ela esperava tinha malformação na coluna. Os médicos insistiam em interromper a gravidez, mas a vida falou mais alto

O sonho de ser mãe quase se tornou um pesadelo para Natalie Halson, uma britânica de 29 anos. 

Quando ela completou 22 semanas de gestação, os médicos descobriram que o bebê que ela esperava tinha espinha bífida, uma formação incompleta da medula espinhal. A anomalia poderia deixar a criança incapaz de caminhar e até provocar a paralisia total nos membros inferiores, de acordo com os médicos. Isso, sem contar as outras complicações causadas pela condição, como o acúmulo de líquido no cérebro e a falta de controle sobre a bexiga.

Diante do quadro, os especialistas sugeriram que Natalie fosse submetida a um aborto. Vale ressaltar que em alguns países, como os Estados Unidos, os bebês diagnosticados com espinha bífida ainda na gestação nem chegam a nascer. Ou seja, o aborto é permitido (e recomendado) nesses casos. 

Mesmo com o alerta dos médicos, Natalie disse sim à vida e recusou-se a fazer o aborto. Mas o pior ainda estava por vir: a insistência dos médicos. Eles voltaram a indicar o aborto outras nove vezes, até quando a mulher completou 33 semanas de gravidez. “Eu percebi que havia opções e não desisti, mas os médicos simplesmente não aceitaram um ‘não’ como resposta”, revelou a mulher. 

Até mesmo perto do parto, os médicos aborreceram Natalie com a sugestão de interromper a gravidez. 

“Ela era uma pequena pessoa indefesa naquele momento. Era ruim pensar que eles só queriam que eu me livrasse dela”, contou ao Dailymail.

Graças à sábia decisão da mãe, o bebê, uma menina chamada Mirabelle, nasceu saudável e, apesar de os médicos afirmarem que ela não teria condições mínimas de qualidades de vida, a menina se desenvolve muito bem, segundo a mãe. E ela comemora: “Estou tão feliz por ter recusado. Mirabelle é realmente um milagre”, declarou Natalie. 

Com informações de Sempre Família 

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.