Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

É verdade que São João Batista nasceu livre do pecado original?

ST JOHN THE BAPTIST
El Greco | Public Domain
Compartilhar

A resposta tem a ver com a Visitação da Virgem Maria à Isabel

A liturgia da Igreja celebra apenas três nascimentos durante todo o ano: o de Jesus, o da Virgem Maria e o de São João Batista. Muitos afirmam que uma das razões para a escolha da celebração do nascimento de João Batista está ligada a uma crença segundo a qual João teria nascido livre do pecado original.
Mas será que Isso é verdade?

Tecnicamente falando, a Igreja nunca proclamou em um documento oficial ou declaração que São João Batista nasceu sem pecado original. Por outro lado, a Igreja também não descarta a ideia.

A razão pela qual os fiéis mantêm tal crença é o episódio da visitação da Santíssima Virgem Maria à Santa Isabel. São Lucas registra: “E quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança [St. João Batista] pulou em seu ventre; e Isabel ficou cheia do Espírito Santo ”(Lucas 1:41).

Muitos teólogos têm argumentado ao longo dos séculos que embora João tenha sido concebido com o pecado original, ele foi purificado no útero e nascido sem ele.

A Enciclopédia Católica resume este argumento:

“Como a presença de qualquer pecado é incompatível com a habitação do Espírito Santo na alma, segue-se que naquele momento João foi purificado da mancha do pecado original”.

Alguns teólogos vêem este episódio como um tipo de “batismo”, através do qual, como o Catecismo da Igreja Católica explica, “todos os pecados são perdoados, o pecado original e todos os pecados pessoais, assim como todo castigo pelo pecado”.

Contudo, por mais convincente que seja esse argumento, não há doutrina vinculante que declare essa ideia como uma parte necessária da crença católica. Pode ter sido o caso, mas os católicos não são obrigados a acreditar nisso.

Qualquer que seja a realidade da situação, esse fato não iguala João à Virgem Maria.

Pio IX, em uma declaração dogmática, afirmou:

“A Santíssima Virgem Maria, desde o primeiro momento de sua concepção, por uma singular graça e privilégio do Deus Todo-Poderoso, e tendo em vista os méritos de Jesus Cristo, Salvador da raça humana, foi preservada livre de toda mancha do pecado original. É uma doutrina revelada por Deus e, por esta razão, deve ser firme e constantemente acreditada por todos os fiéis.”

Jesus e a Virgem Maria são os dois únicos indivíduos verdadeiramente concebidos sem a mancha do pecado original.

Leia também: A origem dos nomes das notas musicais: um hino católico a São João Batista!

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.