Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 23 Novembro |
Santo Anfilóquio
home iconEspiritualidade
line break icon

Onde estava Deus?

Alan Kurdi Valeria Oscar

Nilüfer Demir / Reprodução Twitter

Francisco Vêneto - Aleteia Brasil - publicado em 27/06/19

Cena de pai e filha mortos afogados ao tentarem cruzar fronteira chocou o mundo e trouxe de volta às redes este questionamento doloroso

Já vimos tantas imagens desoladoras e dilacerantes do sofrimento humano que, muito frequentemente, chegamos a dizer a nós mesmos e aos outros que não resta mais nada capaz de nos assombrar e chocar. A vida, no entanto, insiste em nos mostrar que o mal e a dor não são tão poderosos a ponto de nos anestesiarem por completo: o próprio fato de ainda nos sentirmos profundamente chocados com o mal e com a dor no mundo é um sinal de que, apesar de tanto buscarem assassinar nossa esperança, continua teimosamente vivo em nosso espírito o desejo intenso do bem e da felicidade, para nós e para nosso próximo. E vem dele a nossa rejeição e aversão ao mal que nos assombra.

A imagem excruciante que estremeceu milhões nestes dias é a dos corpos do jovem pai salvadorenho Óscar, de 25 anos, e da sua bebê Valeria, de apenas 23 meses, que morreram afogados ao tentarem migrar clandestinamente do México para os Estados Unidos cruzando o rio que separa os dois países.

Ao vê-los inertes, entre a água que os matou e a margem que os recebeu sem vida, numa foto em que salta aos olhos como um grito aos ouvidos o vermelho encarnado da peça de roupa de uma criança morta, é inevitável recordar o menino sírio Alan Kurdi, cujo corpo estendido na praia turca de Bodrum se tornou um dos mais despedaçadores símbolos da tragédia contemporânea das ondas migratórias empurradas pelo desespero e por obscuros oportunismos homicidas.

Dom Alfonso Miranda, bispo auxiliar de Monterrey e secretário geral da Conferência Episcopal Mexicana, se questionou junto com o mundo:

“Qual será o tamanho do sofrimento das pessoas da América Central para que, sem se importarem com mais nada, saiam atrás dos seus sonhos e arrisquem literalmente e absolutamente tudo?”

Com Óscar e Valeria viajava Tania, mulher do rapaz, mãe da menina. Tania sobreviveu.

A ela ainda coube, como se não bastasse tanta tragédia, contar à sogra, por telefone, em prantos e desesperada, que o pesadelo da miséria não tinha se transformado no sonho de um novo futuro, mas na realidade, ainda pior que o pesadelo, de que o próprio futuro estava agora morto, abraçado aos cadáveres de Óscar e Valeria.

O que podemos dizer agora a Tania, quando ela própria só consegue dizer que não resta nada a ser dito? O que dizer a tantas outras Tanias e Óscares, a tantas Valerias, e a tantas sogras, mães, pais, irmãos, parentes e amigos que perderam de modo brutal pessoas a quem, em tantos casos, amavam até mais do que a si mesmos?

Onde estava Deus?

Que Deus é esse, que parece um sádico, um assassino, um Ser cruel e perverso que deixa os próprios filhos sofrerem tanta miséria a ponto de arriscarem a vida até perdê-la de modo tão horroroso?

Não é esta, afinal, a justa e profundamente compreensível pergunta que tantos levantam no meio das tragédias? Onde é que estava Deus naquela hora, se é que estava mesmo em algum lugar?

Um dos aspectos mais intrigantes e fascinantes do cristianismo é que ele costuma responder com novas perguntas, ou, em todo caso, com parábolas e episódios que abrem uma brecha de luz, mas ainda nos deixam na penumbra para buscar a saída por nós próprios.

E não há no cristianismo um episódio mais claro-escuro que o momento em que o próprio Filho de Deus brada aos céus, na asfixia da morte de cruz sobre a colina do Calvário:

“Meu Deus! Meu Deus! Por que me abandonaste?”

Poucos momentos da vida terrena do Deus feito homem parecem ter sido mais profundamente humanos do que esse. O momento dilacerante de sentir no âmago da alma não apenas a absurda ausência de Deus, mas a própria presença dessa ausência, que consegue ser ainda mais absurda. Porque há, e bem sabemos, ausências vividamente presentes, tangíveis, tocáveis; é uma ausência que está, que está conosco, que está em nós; é o próprio vazio, paradoxalmente pleno: o vazio completo a nos encher por inteiro; o nada, promovido a tudo; e o tudo reduzido a nada.

A fé católica nos diz que Deus permite: não é que Ele cause. Ele não causa o mal, nem o cria: Ele o permite. Mas permite por quê? Permite para quê?

Permite porque nos quis livres e para que de fato continuemos livres. Ele respeita a nossa liberdade a ponto de sermos livres até para negá-lo; para crucificá-lo, matá-lo e tentar sepultá-lo. Ele respeita a nossa liberdade de escolher entre os atos mais sublimes, como o de doar a vida para salvar a do próximo, ou os gestos mais abomináveis, como infligir um horror indizível a centenas, milhares, milhões de nossos irmãos em nome da nossa ganância. São escolhas nossas. São consequências das nossas escolhas.

Tem de haver algum sentido na experiência absurda de existir no tempo e no espaço, vivida entre os extremos da felicidade mais arrebatadora e do sofrimento mais devastador. Deus mesmo, afinal, quis viver essa experiência.

Deus mesmo quis encarar o mistério da própria “ausência”.

E Deus mesmo, feito homem e entregando-se à morte e morte de cruz, se permitiu explodir num brado sincero, insilenciável e indesviável:

“Meu Deus! Meu Deus! Por que me abandonaste?”




Leia também:
Dia de Finados sem fim: a morte do menino de bruços na praia

_________

Extraído e adaptado de Francisco Vêneto, “Um adeus devastador no fogo da Grécia: “Tenho medo, mamãe, mas vou ser forte

Tags:
DeusMalMigrantesMorteSofrimento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
FATHER PIO
Maria Paola Daud
Quando Jesus conversou sobre o fim do mundo c...
ŚWIĘTA TERESA WIELKA
Philip Kosloski
Oração de Santa Teresa de Ávila para acalmar ...
IOTA
Lucía Chamat
Imagem da Virgem resiste a furacão que devast...
EL TOCUY
Aleteia Brasil
Pe. Gabriel Vila Verde: há muita diferença en...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Atenção: versão falsa e satânica da Medalha M...
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vez...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia