Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O maior (e mais incompreendido) desafio do casamento

Compartilhar

Se você entender este problema, poderá enfrentar muitos conflitos da vida a dois

Se lhe pedissem para definir um problema com maior probabilidade de fazer um casamento acabar, você poderia arriscar um palpite entre as seguintes razões: má comunicação, dinheiro, sexo ou distanciamento. Estudos mostram que, se você mencionou qualquer um desses motivos, você não está muito errado.
Mas esses problemas não são as principais causas de uma separação; são sintomas de um problema mais profundo.

Eu sei disso porque eu regularmente aconselho casais que estão se preparando para o casamento, assim como casais cujos casamentos atingiram uma fase difícil. Em sessões pré-matrimoniais, passamos muito tempo conversando sobre possíveis áreas problemáticas. Falamos sobre dinheiro, sexo e comunicação saudável. Falamos sobre a importância de rezar juntos, de se preparar para a chegada de uma criança à família.

O que eu deixo bem claro durante nossas conversas é que, embora falemos e antecipemos as habilidades necessárias para construir um casamento bem-sucedido, nenhum casal está totalmente preparado para enfrentar os desafios da vida a dois. É uma grande ajuda olhar para frente e resolver um potencial desacordo antes que isso aconteça, mas nem sempre podemos prever o que uma briga vai desencadear. As questões mais profundas, no entanto, não são sobre se os presentes devem ser abertos na véspera de Natal ou na manhã de Natal, como o dinheiro será tratado ou até como resolver conflitos. As questões realmente importantes são: por que você briga com seu esposo ou esposa? Quando e por que você se sente insatisfeito(a) em seu casamento? O que faz com que duas pessoas percam o compromisso uma com as outra? A resposta a essas questões tende a ser a mesma: expectativas não atendidas. É a maior razão, muitas vezes incompreendida, das crises conjugais.

Digamos que minha esposa seja uma criatura celestial que me ama e faz comida deliciosa para mim. Assim, eu espero que todas as noites, quando eu voltar do trabalho, seja recebido com uma refeição gourmet. Suponha, além disso, que tenhamos filhos que mudaram totalmente nossa rotina diária, que minha esposa tenha uma tarefa inesperada, tenha perdido a noção do tempo ou mesmo que ela simplesmente tenha saído para visitar uma amiga na hora do jantar. Em casa, não há nenhuma refeição para mim… Aqui está o ponto:  eu nunca mereci essa refeição e não tenho o direito de esperar isso. Ela prepara, porque ela me ama, mas se ela não preparar um dia não é motivo para eu ficar chateado, porque sempre foi um presente, um ato de amor. Minha esposa não é minha chef contratada. No entanto, é tão comum que, no casamento, conjuramos falsas expectativas e, em seguida, induzimos a insatisfação quando elas não são cumpridas. Os exemplos são infinitos. Eu pensei que o casamento seria assim, mas acabou por ser assado. Eu achava que minha esposa iria satisfazer todas as minhas necessidades, mas acontece que ela não consegue.

Não é que não devamos ter expectativas de casamento. Sim, temos que ter expectativas realistas e saudáveis. O casamento traz felicidade e satisfação e devemos esperar que seja uma bela união, que amadurece e se torna cada vez mais amável ao longo do tempo. Mas, se esperamos que seja como Romeu e Julieta, bem, todos sabemos o que aconteceu… Haverá problemas de dinheiro. As crianças causam estresse. Brigas irão acontecer. Precisamos lembrar: meu cônjuge não será perfeito. Minha esposa, em algum momento, me decepcionará. Minha esposa nem sempre me entende e nunca consegue mudar esse hábito irritante.

Honestamente, eu não penso muito sobre os raros casos em que minha esposa não atende às minhas expectativas. Eu me preocupo muito mais com o cenário oposto. Em nossos 18 anos juntos, eu não posso nem começar a explicar as maneiras pelas quais eu a decepcionei. Claro, posso olhar para trás, catalogar vários erros que cometi e listá-los na internet para todo o mundo ver. Para começar, eu tenho sido egoísta, mal-humorado e irracional. Não posso, no entanto, detalhar a miríade de outras maneiras pelas quais fiquei aquém das expectativas dela, pois talvez eu nem perceba onde errei. Talvez eu não tenha dito a coisa perfeita quando ela precisou ou não tenha notado que ela teve um dia difícil e deixei de oferecer consolo. Eu imagino que eu a fiz feliz, mas certamente não perfeitamente feliz, e que eu fui um bom marido e pai, o melhor que posso ser. Mas, por alguma razão misteriosa dentro de mim, eu não tenho sido bom o suficiente. O ponto é: minhas falhas não fazem nosso casamento um fracasso. Nós não esperamos que o outro seja perfeito.

A suposição mais danosa que podemos fazer no casamento é que o cônjuge conserte tudo, satisfaça todas as necessidades emocionais, e nunca, nunca deixe de ser exatamente o que é necessário a cada momento. Somos seres humanos e nos decepcionamos. No casamento, nos comprometemos com um relacionamento real e vivo em toda a sua desordem gloriosa.

Leia também: 7 coisas que você precisa deixar de lado para ter um casamento feliz

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.