Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 25 Novembro |
São Pedro Yi Ho-Yong
home iconEspiritualidade
line break icon

O que nos detém? Jesus mostra como é a liberdade

FRANCISCAN FRIARS OF THE RENEWAL,CATHOLIC

Jeffrey Bruno | Franciscan Friars of the Renewal

Tom Hoopes - publicado em 07/07/19

Muitas das nossas "boas razões" são na verdade apenas desculpas. Existe um caminho melhor

Jesus está indo para Jerusalém e nada vai detê-lo. Tal passagem do Evangelho convida-nos a perguntar: o que deixamos que nos paralise?

Jesus nos mostra como é um homem livre.

Jesus está resolutamente determinado a ir para Jerusalém, diz o Evangelho de Lucas.

Uma aldeia samaritana não o deixa descansar no caminho. Mas isso não o altera. Seus discípulos querem se vingar da aldeia, mas Jesus não tem tempo para vingança: ele só tem tempo para sua missão. À medida que ele segue, ele encontra mais discípulos em potencial. Ele também não deixa que eles o detenham.

Eles não têm a determinação de Jesus. Eles não são livres para seguir a vontade de Deus tão resolutamente quanto ele é.

Eles dão o que parecem ser boas razões, mas na verdade são desculpas: eles precisam se despedir de membros da família, vivos ou mortos. Jesus adverte sua falta de compromisso com a missão, dizendo: ninguém que põe a mão no arado e olha para trás está apto para o Reino de Deus.

Eu temo dizer isso, mas nós somos muito parecidos com aqueles discípulos que não são livres.

Sabemos onde Jesus quer ir conosco: Ele quer que sejamos cristãos amorosos, generosos e destemidos.

Ele quer que passemos tempo com ele em oração para conhecê-lo melhor. Nós garantimos a ele que vamos – “mas primeiro eu tenho de checar o celular”, ou “o jantar demorou muito e agora começou meu programa na TV”.

Ele quer que o ajudemos a alcançar mais pessoas. E nós concordamos. Com certeza, seremos voluntários na paróquia, assim que as crianças crescerem ou diminuir o volume de trabalho.

De vez em quando, encontramos pessoas cujas vidas colocam o amor em primeiro lugar.

Elas ilustram a bela frase de São Paulo (Carta aos Gálatas 5,1.13-18): “foi para a verdadeira liberdade que Cristo nos libertou”. Elas são cristãs até o fim, e ajudam alegremente onde quer que seja necessário.

São aqueles que são livres para “colocai-vos ao serviço uns dos outros, porque toda a Lei se resume nesta palavra: «Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.

Aprendamos com Eliseu. Ele também deu desculpas, mas as confrontou e superou.

Na leitura (1.º Livro dos Reis 19,16-21), o novo profeta Eliseu foi chamado pelo grande Elias e concordou em segui-lo. Mas primeiro, ele disse, queria dar adeus a seus pais, o que parecia irritar Elias. Mas a resposta de Eliseu foi fundamental: ele aplicou amor e auto-sacrifício ao que o estava impedindo. Ele destruiu seu arado e jugo de bois, deu o dinheiro para sua família e partiu.

Que jugo podemos destruir para nos libertar para seguir a Deus?

São Paulo cita dois tipos de jugo: primeiro, “os desejos da carne” – o que incluiria nossos hábitos de conforto ou prazer. Segundo: ficar atacando uns aos outros – “se vós, porém, vos mordeis e devorais mutuamente, tende cuidado, que acabareis por destruir-vos uns aos outros”.

“Portanto, permanecei firmes e não torneis a sujeitar-vos ao jugo da escravidão”, diz Paulo.

A abordagem de Jesus é como a de Eliseu: Ele elimina todos os confortos falsos da vida que o prendem, dizendo: “as raposas têm tocas e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do homem não tem onde descansar a cabeça”.

Nós também temos que viver sem nada impeça nossa vocação.

Precisamos nos acostumar a destruir os jugos, porque um dia nossa vocação pode significar nossa própria viagem a Jerusalém.

Cada uma dessas histórias é sobre uma vocação cristã.

Para muitos cristãos no mundo, essa vocação significa testemunhar a crença em Jesus Cristo para as pessoas que querem prejudicá-los ou matá-los. Ser cristão hoje – por completo e gratuitamente – pode significar perder amizades ou até mesmo vantagens. E pode piorar.

Nossa vocação última é muito mais do que “gastar mais tempo em oração” e “fazer obras de serviço”. É acompanhar Jesus Cristo a Jerusalém e sofrer e morrer com ele.

Mas se nunca nos tornarmos resolutos como Jesus em nossa vocação diária, nunca poderemos segui-lo até o fim.

Tags:
EspiritualidadeOração
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
Medalha de São Bento
pildorasdefe.net
Oração a São Bento para afastar o mal e pedir...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Oração para afastar o mal de um recinto
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
FATHER PIO
Maria Paola Daud
Quando Jesus conversou sobre o fim do mundo c...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia