Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Uma santa de nossa época

Irmã Dulce
Reprodução
Compartilhar

Estamos acostumados a celebrar a festa de santos de diferentes e distantes países, de diversas épocas. Agora, estamos diante de alguém que viveu aqui, perto de nós

Por Dom Murilo S.R. Krieger, Arcebispo de São Salvador da Bahia – Primaz do Brasil

No primeiro dia deste mês, segunda-feira passada [01/07/2019], coube-me anunciar, em Salvador, a canonização de Irmã Dulce. A alegria tomou conta de todos os que se encontravam no Santuário onde está o corpo do “Anjo Bom da Bahia”. Os momentos seguintes foram de entrevistas, orações e cantos festivos, porque é de Salvador, é da Bahia aquela que, a partir de 13 de outubro de 2019, passará a ser chamada de “Santa Dulce dos Pobres” – primeira santa brasileira da nossa época. A repercussão da notícia em todo o país mostrou-nos que “nossa” Irmã Dulce há muito conquistou o coração dos brasileiros.

Estamos acostumados a celebrar a festa de santos e santas de diferentes e distantes países, de diversas épocas. Agora, estamos diante de alguém que viveu nesta cidade e que deixou marcas profundas no coração de quem a conheceu. O testemunho de Irmã Dulce confirma o que o apóstolo Paulo ensinou: “O amor jamais acabará” (1Cor 13,8). As vaidades acabarão, os elogios passarão, as medalhas de mérito enferrujarão. Assim, se Irmã Dulce tivesse feito de sua vida uma procura incessante de títulos honoríficos, de louvores da sociedade e de aplausos fáceis dos que a cercavam, quem hoje estaria falando dela?

Irmã Dulce nos aponta um caminho: o da santidade. Ela se une a uma multidão de santos e santas que, com a sua fé e caridade, se tornaram faróis para o mundo, pois manifestaram a presença poderosa do Ressuscitado em suas vidas; deixaram que Cristo se apoderasse tão completamente delas que puderam afirmar com São Paulo: “Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim” (Gl 2, 20). Seguir o seu exemplo, recorrer à sua intercessão e entrar em comunhão com eles, une-nos a Cristo.

Mas, o que é a santidade? Ela não consiste na realização de obras extraordinárias, mas em viver o Evangelho e fazer nossas as atitudes, os pensamentos e os comportamentos de Jesus Cristo. Todo batizado é chamado a ser santo: “Deus nos escolheu, antes da fundação do mundo, para sermos santos” (Ef 1, 4). Assim, não importa o tipo de vida que uma pessoa leva, nem sua missão ou profissão: ela é chamada a seguir Jesus Cristo, para um dia participar de sua glória. Mas, estejamos atentos: a santidade é obra de Deus, não nossa.

A vida de Irmã Dulce é uma confirmação de que a santidade nada mais é do que a caridade plenamente vivida: “Deus é amor; quem permanece no amor permanece em Deus e Deus nele” (1Jo 4, 16). Porque ela procurou amar a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a si mesma, sua vida passou a brilhar como a aurora, iluminando vida de muitos. A canonização de Irmã Dulce dos Pobres será uma excelente oportunidade para refletirmos sobre a mais importante lição que ela nos deixou: “O amor jamais acabará”.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.