Aleteia

O que o GPS pode nos inspirar para uma cultura do encontro

GPS
Compartilhar

“É que estar junto nem sempre significa ser próximo”

Em artigo para a Voz da Verdade, órgão de comunicação do Patriarcado de Lisboa, o pe. Alexandre Palma compartilhou nesta semana algumas reflexões pessoais sobre

“Só em caso extremo não tento, eu próprio, encontrar o caminho justo. Irrito-me um pouco com a atitude acrítica que esses aparelhos milagrosos despertam em nós. Às vezes dá a impressão de que, mesmo se eles nos conduzissem a um qualquer abismo, ainda assim, aceleraríamos alegremente, tal é a confiança cega que depositamos nestes mapas com inteligência própria”.

Ele observa, porém, que o GPS não leva em conta determinadas realidades bastante humanas:

“Para aquelas aplicações, não há barreiras nas nossas cidades. Tudo nelas está optimizado em função da distância, do tempo da viagem ou de parâmetros do género. Nada mais. Não entra ali em consideração se já conhecemos ou não a zona que devemos atravessar; se esta é perigosa ou não; se é recomendável ou não. No fundo, não entram ali em consideração nem os nossos medos, nem os nossos preconceitos”.

E ele admite uma surpreendente experiência:

“Levado por aquela voz mecânica e insistente, atravessava zonas da nossa cidade que de nenhuma outra forma atravessaria. Seja porque as não conhecia, seja porque a ideia que delas fazia me levava a não as querer conhecer. E, para encantada surpresa minha, me vi a atravessar uma zona que, afinal, me parecia, agora que a visitava, tão familiar como a minha própria rua. Nesse dia, a minha cidade ficou um pouco maior. Senti-me, naquela vez, conduzido por um pequeno revolucionário. Levado por alguém que fura os muros invisíveis que atravessam as nossas cidades. Talvez seja esta uma das grandes revoluções do futuro: quebrar toda a aparência de proximidade, camuflada por paredes de vidro”.

Sua conclusão é muito pertinente, em especial para nós, católicos, que tantas vezes ouvimos o chamado do Papa Francisco a consolidar a cultura do encontro:

“Já não bastará um GPS para as ruas. Serão necessários GPS destes para as nossas sociedades. É que estar junto nem sempre significa ser próximo. Conhecer nem sempre implica encontrar. Os bloqueios que nos tolhem os movimentos na cidade serão, apenas, a ponta visível de um iceberg cujas bases se acham na escuridão do nosso medo do próximo. Fisicamente perto, mas interiormente afastado dele. Coabitando uma mesma cidade, mas tendo-o por estranho e estrangeiro. Trazemos nos bolsos, todos os dias, o segredo desta revolução. O GPS não será o seu agente. Mas pode ser uma inspiração”.

Boletim
Receba Aleteia todo dia