Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

3 questões sobre os cuidados com doentes terminais

MAN,WOMAN,HOSPITAL
Shutterstock
Compartilhar

Os parentes precisam realizar o desejo do paciente? Tirar a comida é eutanásia? E sobre a medicação para dor?

Em um momento em que os avanços médicos estão levando o mundo a novos patamares, há certas questões sobre os cuidados no fim da vida que continuam surgindo. Aqui estão três:

1. Se eu sou um representante do paciente, devo atender a qualquer solicitação feita por ele? 

Se um ente querido lhe pedir para ser seu procurador médico, é fundamental que estejam claros os desejos dele. Também é importante que você indique quais são suas próprias crenças e o que você pode consentirá ou não (em termos de sua própria consciência).

Apesar de quaisquer pedidos possíveis do paciente (ou de outros entes queridos), você não pode de forma alguma trair a verdade moral, a dignidade humana autêntica ou a sua própria consciência formada na verdade. Como cristão, isso é inegociável.

2. Quando é possível suspender a nutrição e a hidratação do paciente?

Toda pessoa tem dignidade e é chamada a viver e estimar nossa humanidade compartilhada. Este reconhecimento da dignidade humana (e da nossa solidariedade uns com os outros) exige que ofereçamos generosamente cuidados humanos básicos, que incluem comida e água (mesmo que administrados artificialmente). Se essas necessidades básicas forem suspensas, estaremos passando fome ou desidratando uma pessoa até a morte. Isso seria a eutanásia, já que é a privação de comida e água que está causando a morte, e não a doença ou condição médica da pessoa.

A única hora em que a comida e a hidratação podem ser suspensas é quando o corpo de uma pessoa é incapaz de assimilá-las e/ou a comida e a água realmente causam danos à pessoa. Nesses casos, o bem oferecido pela comida e pela água não estaria servindo mais e, portanto, devem ser suspensos. Em tal situação, a suspensão de alimentos e água não seria uma eutanásia, já que a condição médica da pessoa está causando a morte, não a suspensão de comida e água.

Este último ponto deve ser enfatizado. No discernimento de quando suspender nutrição e hidratação (mesmo se artificialmente administrada), a regra de ouro é a questão premente: o que causará a morte dessa pessoa? Se a morte ocorre por causa da remoção de comida e água, então é eutanásia. Se, no entanto, a morte é causada pela condição médica ou doença da pessoa, então não é a eutanásia (mesmo que a comida e a água tenham que ser suspensas até o fim da vida por causa da doença e da incapacidade do corpo de assimilá-las).

3. E se a medicação para a dor acabar tirando a vida de uma pessoa? Isso é eutanásia?

Se alguém der uma overdose intencional e proposital de medicação para dor a uma pessoa que sofre com a esperança de acabar com a vida, então o ato é claramente a eutanásia.

Mas a maioria das pessoas não entra no cenário que acabamos de descrever. A maioria das pessoas tem boa vontade e quer fazer a coisa certa e garantir que o ente querido não esteja sofrendo. Aqui está um princípio útil para tais situações: o nível de medicação para a dor pode ser fornecido para corresponder ao nível da dor de uma pessoa.

Ao aplicar este princípio às pessoas que sofrem intensamente, pode acontecer que a medicação para a dor cause a perda da capacidade mental e acelere a morte do indivíduo. Nesse caso, o fator determinante em relação ao status moral da ação da pessoa ou procurador é se a intenção era tirar a vida ou apenas diminuir a dor, mesmo que houvesse a consequência previsível, mas não intencional, da perda de vidas.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.