Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Esta já foi a maior catedral da África, mas sua cátedra permanece vazia

Mogadishu Cathedral
Compartilhar

O primeiro bispo de Mogadíscio também foi seu (até agora) último, pois a capital somali suportou décadas de caos

Quando a catedral de Mogadíscio foi inaugurada, em 1928, era a maior catedral da África. Construída em três anos e projetada em estilo gótico pelo arquiteto Antonio Vandone di Cortemilia, a igreja foi fortemente influenciada pela Catedral de Cefalù, na Sicília.

Com torres gêmeas de pedra atingindo uma altura de mais de 37 metros, esta igreja foi por muitos anos o ponto estrutural mais alto da capital somali. Foi também um marco cultural e pedra angular na vida dos habitantes católicos de Mogadíscio, cerca de 8.500 em meados do século XX.

Embora uma parte desse número fosse composta de africanos nativos (como os católicos convertidos da etnia bantu), a esmagadora maioria era católica de ascendência italiana (a Somália já foi a colônia italiana).

À medida que as décadas seguintes viram a situação na Somália se deteriorar, especialmente para as minorias religiosas, os católicos começaram a fugir do país.

Quando Mogadíscio foi elevada a diocese, em 20 de novembro de 1975, a população católica já estava em declínio acentuado. Embora a cidade ainda tivesse sua beleza particular, a segurança havia se tornado uma preocupação. Um exemplo foi um episódio de 1975, quando um embaixador francês foi sequestrado por quatro homens armados enquanto saía de uma Missa dominical na catedral de Mogadíscio.

Quase exatamente um ano após esse incidente de sequestro, Salvatore Colombo – que nasceu na região da Lombardia, no norte da Itália, em 28 de outubro de 1922 – foi ordenado primeiro bispo da diocese. Até hoje, ele também é o último bispo da diocese.

Em 9 de julho de 1989, o bispo Salvatore, então com 66 anos, foi morto a tiros enquanto rezava Missa dentro da catedral de Mogadíscio. Essa violência acabou com seu mandato de 13 anos como bispo e 43 anos como padre, a maioria dos quais ele passou na Somália. Após seu enterro em Mogadíscio, alguém desenterrou seus restos mortais e extraiu os dentes, em busca de ouro. Seus restos mortais foram depois transferidos para Milão, na Itália.

O assassinato de Salvatore Colombo permaneceu sem solução, e a Igreja decidiu não nomear um sucessor. É simplesmente muito perigoso. Mesmo no momento do assassinato do bispo, a nação estava se encaminhando para um caos violento do qual ainda não se recuperou totalmente.

No início de 1991, a catedral foi saqueada e incendiada. Por volta daquela época, a embaixada dos EUA em Mogadíscio foi evacuada. Uma semana depois, a embaixada italiana – a última remanescente na cidade – também foi evacuada. Em pouco tempo, as ligações telefônicas foram cortadas. Uma capital, outrora vibrante, separava-se do mundo exterior e rumava ao caos.

Em meio à escassez de eletricidade, comida e água corrente, os civis que permaneceram na cidade tiveram de se esforçar para comprar armas na rua para se defender. Competindo pelo poder estavam várias milícias, muitas vezes divididas entre rivalidades de antigos clãs. Surgiram grupos extremistas, como o Al-Shabaab.

Agora há apenas algumas dezenas de católicos na Somália, onde qualquer culto cristão é tipicamente conduzido em segredo. Em vez de um bispo, a Somália tem um administrador apostólico, Giorgio Bertin, que também serve como bispo da única diocese de Djibouti (uma pequena nação que faz fronteira com a Somália).

Nos últimos tempos, as áreas da Catedral de Mogadíscio foram usadas ​​como abrigo improvisado para deslocados, muitos deles refugiados de regiões atingidas pela fome no campo. Mas só porque um lugar serve como refúgio não significa necessariamente que é seguro. Como um jornalista descreveu: “Se você perambular por lá, mais cedo ou mais tarde ficará preso em um tiroteio entre milícias”.

Um turista que (escoltado por guardas de segurança privados com Kalashnikov) visitou a igreja em dezembro de 2014 descreveu um altar “vagamente reconhecível” e os restos de uma representação de São Francisco de Assis. A imagem do santo, no entanto, sofrera “decapitação”.

Há o desejo de reconstruir a catedral. Mas a situação na área circundante, claro, precisaria melhorar.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.