Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Bob Dylan em ‘Rolling Thunder Revue’: uma turnê de protesto e solidariedade

ROLLING THUNDER REVUE
Netflix
Compartilhar

Uma história de Bob Dylan contada por Martin Scorsese

Qualquer um que tenha visto “No Direction Home: Bob Dylan”, o filme que Martin Scorsese fez em 2005, sabe o que esperar de “Rolling Thunder Revue” (na Netflix), uma história real, mas dotada do mesmo ritmo de seus filmes sobre a Máfia, um documento tecnicamente impecável, uma trilha sonora luxuosa e um retrato audiovisual de um artista, de um tempo e jeito de ser e pensar.

Era inevitável que Dylan e Scorsese, ambos vencedores do Oscar e Dylan ainda vencedor do Nobel de Literatura, juntos acabassem funcionando: os dois são da mesma geração, (Dylan nasceu em 1941, Scorsese em 1942), ambos são católicos e seus interesses cristãos e espirituais se refletem em seus trabalhos, ambos vivenciaram as mesmas mudanças sociais e políticas, eram jovens nos anos 60 e 70, e ambos são já artistas lendários.

“Rolling Thunder Revue” retrata o tempo que Bob Dylan voltou ao palco em 1975 com a ideia de se reunir com vários músicos e pegar a estrada com eles como se fossem artistas de rua, músicos do passado que estivessem tocando de cidade em cidade, como uma grande família de trovadores itinerantes de circo, ansiosos por reformar os eventos e levar poesia, música e literatura às pessoas comuns. É uma das virtudes de Dylan e, em parte, é por isso que ele recebeu o Nobel: suas canções de protesto transformaram as pessoas.

Houve alguns pontos altos nessa turnê e todos estão registrados. Momentos em que Bob Dylan traz à tona sua dimensão humana e comprometida: por exemplo, quando escreveu a canção sobre Rubin ‘Hurricane’ Carter, um boxeador acusado (e preso) injustamente.

Outro desses momentos é a visita da banda a uma reserva indígena onde estão o Chefe Rolling Thunder. Ali Dylan canta “The Ballad of Ira Hayes,” a história de um dos fuzileiros que levantou a bandeira americana em Iwo Jima durante a Segunda Guerra Mundial.

E não podemos esquecer o momento em que outra música protesta contra o racismo: “The Lonesome Death of Hattie Carroll”. É isso que distingue, substancialmente, Dylan de tantos outros músicos: ele tentou mudar a sociedade e reparar as injustiças através de letras devastadoras e do uso de diferentes estilos musicais.

O documentário traz personagens como Sharon Stone, que revela seus encontros com Dylan quando ela era jovem e ainda não tinha se tornado atriz. Ou o próprio “Hurricane” Carter, com seu testemunho em primeira mão sobre os momentos em que ele foi preso e Dylan foi até a prisão cantar para ele.

Mesmo aqueles que não admiram o talento de Bob Dylan e sua atitude crítica e feroz contra o racismo, a guerra, a injustiça e a opressão do povo, devem dar uma olhada neste documentário de Martin Scorsese.

Ficha Técnica

Título original: Rolling Thunder Revue: A Bob Dylan Story by Martin Scorsese


País: Estados Unidos


Diretor: Martin Scorsese


Música: Bob Dylan


Gênero: Documentário / Música


Duração: 142 min.


Elenco: Bob Dylan, Patti Smith, Allen Ginsberg, Joan Baez, Roger McGuinn, Scarlet Rivera, Sam Shepard, Sharon Stone, Joni Mitchell, Rubin ‘Hurricane’ Carter, Ramblin’ Jack Elliott, Martin von Haselberg

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.