Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Está se sentido irritada(o)? Veja como redefinir suas reações às coisas que causam estresse

Compartilhar

Duas perguntas simples que vão te ajudar a reduzir o estresse diário e a melhorar o relacionamento com seus familiares

Durante o ano letivo, achei que eu estava passando muito tempo no carro todos os dias. Entre três diferentes saídas de manhã e três à tarde, parecia que eu ficava no carro por horas. No último dia de aula, lembro-me de pensar: “Graças a Deus, vou dar um tempo do trânsito por algum tempo”

Foi ingenuidade minha! Eu não tinha ideia do que estava por vir.

Entre vários acampamentos, esportes, amigos e a Escola Bíblica de Férias, passei o dobro do tempo no carro desde o término das aulas. Nas duas primeiras semanas do verão, isso me deixou louca. Eu ficava frustrada o tempo todo, tanto por causa da quantidade de viagens que eu estava fazendo a cada dia quanto pela duração dessas viagens. Essa irritação transbordou em minhas conversas com meus filhos enquanto nos preparávamos para sair, enquanto estávamos no carro, e quando chegávamos em casa. Até que um dia, meu filho Lincoln, de 6 anos ,disse em voz baixa: “Mamãe, tudo bem se você não me levar para o acampamento hoje. Posso ficar em casa para você poder trabalhar.”

O altruísmo do meu menino contrastava com o meu. Fiquei instantaneamente envergonhada de mim mesma, impressionada com o quanto mais maduro e compassivo meu filho estava sendo.

“Não, filho”, eu disse a Linc, olhando no espelho retrovisor. “Sinto muito por estar mal-humorada. O acampamento é importante para você, e isso significa que é importante para mim. Peço desculpas por ser egoísta – eu quero levá-lo”.

Ele esboçou um sorriso quando eu disse isso, e me perdoou rápida e simplesmente.

Eu voltei para casa pensando sobre o quanto eu tinha aprendido com o meu filho naquela conversa de 7 minutos, depois que eu saí do meu próprio egoísmo induzido pelo estresse. Eu percebi que eu tinha duas escolhas: eu poderia continuar a ver essas viagens como um inconveniente, uma interrupção no meu dia e uma detração do meu trabalho ou eu podia olhar para elas como oportunidades para me conectar com os meus filhos, para rezar, ou simplesmente dirigir e aproveitar a rara paz e tranquilidade no meu dia corrido.

Mudar a minha perspectiva ajudou, mas não foi infalível. Ainda havia momentos em que senti o estresse subir e começar a me dominar. Nesses momentos, tive que confiar em uma técnica que meu pai usara a vida toda. Eu chamo isso de “realidade instantânea”. Quando um de nós ficava sobrecarregado de estresse, eu fazia duas perguntas: há algo que você possa fazer para mudar essa situação agora? E, se não houver, está se estressando e se preocupando em melhorar ou piorar a situação?

São perguntas simples, mas sempre ajudam a me trazer de volta à realidade. É fácil de se estressar – e o estresse torna as coisas muito piores. Quando você percebe e digere isso, sua mente fica livre para escolher um caminho melhor para resolver as coisas. Mas como perceber? Pode ser através de uma oração ou na conversa com seus filhos. De qualquer forma, encontrar a paz irá prepará-la melhor para lidar com esses fatores de estresse.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.