Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 21 Fevereiro |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

A carta que São Luís Gonzaga escreveu à mãe antes de morrer

ALOYSIUS GONZAGA

Public Domain

Reportagem local - publicado em 25/07/19

"A vossa carta encontrou-me ainda vivo na região dos mortos; mas agora espero ir em breve louvar a Deus eternamente na região dos vivos"

São Luís Gonzaga partiu deste mundo aos 23 anos de idade e nos deixou uma pergunta que sempre o acompanhou quando tinha algo importante a fazer: “De que serve isto para a eternidade?

Padroeiro da juventude e dos estudantes, foi e é modelo de pureza e desprendimento para todos os jovens, em meio às muitas vaidades e tentações em que vivia como jovem de família rica da Itália.

Antes de morrer, ele escreveu à sua mãe a seguinte carta:

A graça e a consolação do Espírito Santo estejam sempre convosco. A vossa carta encontrou-me ainda vivo na região dos mortos; mas agora espero ir em breve louvar a Deus eternamente na região dos vivos. Pensava até que, a esta hora, já teria dado esse passo.

Se a caridade, segundo São Paulo, ensina a chorar com os que choram e a alegrar-se com os que estão alegres, muito grande deve ser a alegria de Vossa Senhoria, pela graça que Deus Vos concede na minha pessoa, chamando-me à verdadeira alegria e dando-me a segurança de não poder perdê-Lo jamais.

Confesso-vos, ilustríssima Senhora, que me perco e arrebato na contemplação da divina bondade, mar sem praia e sem fundo, que me chama a um descanso eterno por um trabalho tão breve e pequeno; que me convida e chama ao Céu para dar-me ali aquele soberano bem que tão negligentemente procurei, e que me promete o fruto daquelas lágrimas que tão parcamente derramei.

Por conseguinte, ilustríssima Senhora, considerai bem e ponde todo o cuidado em não ofender esta bondade de Deus, como certamente aconteceria se viésseis a chorar como morto aquele que vai viver na contemplação de Deus e que maiores serviços vos fará com as suas orações do que nesta terra vos prestava.

A nossa separação será breve; lá no Céu nos tornaremos a ver; lá seremos felizes e viveremos para sempre juntos, porque estaremos unidos ao nosso Redentor, louvando-O com todas as forças da nossa alma e cantando eternamente as suas misericórdias. Se Deus toma novamente o que nos tinha dado, não o faz senão para o colocar em lugar mais seguro e ao abrigo de qualquer perigo, e para nos dar aqueles bens que acima de tudo desejamos.

Digo tudo isto para que vós, Senhora minha Mãe, e toda a família, aceiteis a minha morte como um dom precioso da graça. A vossa bênção de mãe me assista e me ajude a alcançar com felicidade o porto dos meus desejos e esperanças. Eu vos escrevo com tanto maior prazer quanto é certo que não me resta outra ocasião para vos testemunhar o respeito e o amor filial que vos devo.

___________

Fragmento da Acta Sanctorum, Iuni, 5,578 – Século XVI

Tags:
MaternidadeOraçãoSantosTestemunho
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia