Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

As crianças-cadáveres escravizadas nas minas de coltan do Congo

Junior D. Kannah / AFP
Compartilhar

“Os nossos celulares estão manchados com o sangue das ‘crianças-cadáveres'”, afirma o padre que resgata crianças do inferno da escravidão

O site da diocese espanhola de Málaga publicou no começo deste mês uma impactante entrevista com o pe. Willy Milayi, missionário da Imaculada Conceição que resgata crianças de rua no Congo, seu país natal, e lhes fornece abrigo e educação a fim de livrá-las do inferno das minas de coltan, onde trabalham de modo forçado e em situação de escravidão.

O sacerdote congolês explica que esse mineral, resultante da mistura de columbita e tantalita, é usado na fabricação de dispositivos eletrônicos como celulares. Por ser escasso, tem muito valor econômico, fato que explica por que a exploração das minas na República Democrática do Congo está nas mãos de guerrilhas.

O pe. Willy contou o caso de um menino que percorreu mais de 6.000 quilômetros para fugir da escravidão a que era submetido.

“Vocês podem imaginar as condições de miséria em que ele chegou. Mas só estava procurando alguém que o escutasse. Ele chegou destruído de dor. Depois que lhe demos comida, ele contou sobre a vida dele. Os milicianos tinha expulsado a família dele de casa, mãe, pai, irmãs e ele próprio, e levaram todos para a selva com duas propostas: morrer ou trabalhar para eles tirando coltan das minas das 6 da manhã até as 7 da noite. Trabalhavam a 200 metros de profundidade para tirar 15 sacos de coltan por dia. E ganhavam 2 dólares por mês”.

Quando explodiram revoltas contra as guerrilhas, os milicianos reagiram com ainda mais brutalidade:

“Estupraram e mataram a mãe daquele menino na frente dele. Depois fizeram a mesma coisa com as irmãs de 17 e 13 anos e mataram o pai dele. Ele conseguiu fugir, mas me dizia chorando: ‘Eu não tenho medo da morte. Eu sou um cadáver. E um cadáver não tem medo da morte’”.

O pe. Willy acrescenta:

“Nossos celulares estão manchados com o sangue das ‘crianças-cadáveres'”.

Há mais de 20 mil crianças de rua só na capital congolesa, Kinshasa. É para elas que os missionários da Imaculada Conceição fundaram um centro educacional, sobre o qual o pe. Willy comenta:

“É um lar onde eles podem aprender um ofício que garanta um futuro fora das minas e que eles nunca mais voltem para a rua. Não podemos resolver todos os problemas, mas damos graças a Deus por cada crianças que podemos resgatar. É um verdadeiro milagre, que as pessoas de boa vontade tornam possível”.

As crianças também aprendem a cuidar umas das outras:

“Já ouvimos vários dizerem: ‘O pe. Willy nos ensinou que temos que ajudar quando crescermos’. Acho que isso é um passo importante. Temos que defender a dignidade da pessoa, imagem de Deus, nossos irmãos. Em nosso mundo essa concepção foi perdida e colocamos os bens materiais acima das pessoas. O que nos mata hoje é a indiferença. Não queremos saber nada dos problemas dos outros e só falamos dos nossos. Mais preocupante que a pobreza material é a pobreza espiritual”.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.