Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A escada “imóvel” do Santo Sepulcro: por que ninguém a moveu desde 1757?

©Aleteia
Compartilhar

Também conhecida como a “escada do status quo”, é compartilhada por seis igrejas

Uma antiga escada de madeira repousa à borda da janela da direita da fachada principal da Igreja do Santo Sepulcro.

Ela é chamada de “a escada imóvel” e mal foi movida desde 1757. Alguém tentou roubá-la em 1981 (a pessoa foi imediatamente presa pela polícia israelense). Então, em 1997, alguém conseguiu escondê-la por algumas semanas, mas a escada foi encontrada e retornou ao seu local original.

Finalmente, os trabalhadores envolvidos na preservação e restauração da torre do sino da igreja tiveram de movê-la em 2009 para colocar alguns andaimes. Apesar desses contratempos, a escada chegou ali em meados do século XVIII.

Como a maioria das igrejas na Terra Santa, a Igreja do Santo Sepulcro é um local de adoração de numerosas e diversas confissões cristãs. No século XVIII, durante o reinado do sultão otomano Osman III, foi assinado o Acordo Status Quo. Além de dividir Jerusalém em quadrantes, o sultão também decretou que quem quer que estivesse no controle de uma área designada na cidade, a controlaria indefinidamente no futuro.

No entanto, o acordo também incluiu uma cláusula especial: se vários grupos tivessem alguma autoridade sobre determinado local, eles deveriam concordar unanimemente com quaisquer alterações feitas, por menores que fossem.

Embora esse decreto tenha se mostrado útil para evitar imposições de alguns grupos a outros, também tornou impossível organizar plenamente vários desses locais de peregrinação: a menos que todas as partes concordem inteiramente com o mínimo de detalhes, não há nada que possa ser feito.

Isso explica porque a escada não se moveu desde então. Atualmente, seis igrejas cristãs têm direitos sobre o Santo Sepulcro, e ninguém é muito claro sobre quem é o dono daquela borda muito particular ou da janela na qual a escada se apoia. E ainda mais, não está claro quem é o dono da própria escada (embora alguns afirmem que ela pertença à Igreja Apostólica Armênia).

Acabou que, ao longo dos séculos, a escada passou a ter um significado importante por conta própria.

Durante sua visita à Terra Santa em meados da década de 1960, o Papa Paulo VI reconheceu como a escada, símbolo do Acordo Status Quo, também se tornara um triste testemunho das divisões entre os cristãos.

Considerando que a Igreja Católica Romana é um dos seis grupos que devem decidir sobre as mudanças a serem feitas no Santo Sepulcro, ele decretou que a escadaria não seria movida até que as divisões entre os cristãos não fossem resolvidas.

De fato, historicamente, uma família muçulmana foi encarregada de guardar as chaves da Igreja do Santo Sepulcro. As chaves continuam sendo transmitidas de geração em geração.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.